31 de janeiro de 2010

Vivendo Perigosamente




















Na Rua Leopoldo Fischer e fazendo divisa com o Edifício Luxemburgo I e II a erosão esta colocando em risco o próprio morro. A próxima área de risco será o passeio, depois o muro e por ultimo a área próxima aos edifícios colindantes.


A ocupação de morros em Joinville é uma atividade perigosa, mesmo quando conta com a aprovação dos órgãos públicos licenciadores, pode representar uma grave irresponsabilidade por parte das empresas e dos seus responsáveis técnicos, caso não seja seguido o projeto técnico aprovado. Ou pode ser considerada a irresponsabilidade, caso não exista uma fiscalização adequada.

As imagens enviadas pelo Eng. Agr. Gert Fischer devem merecer um acompanhamento mais próximo dos setores correspondentes da Prefeitura Municipal de Joinville.

E agora Zé?

Joinville – Puigcerda


Joinville – Puigcerda


Puigcerda é um pequeno município espanhol, encravado nos Pirineus, a pouca distancia da fronteira francesa, com uma população de 10.000 habitantes. O seu caso poderia servir de exemplo para Joinville. Noves fora que cada caso é um caso é não tem ninguém mais ignorante que quem acha que já tem todas as respostas.


Em Joinville o tema do transito tem se estruturado a partir de uma premissa perigosa, a que os recursos para manter a estrutura de fiscalização são originários das multas, não existe outra fonte de recursos e isto obriga a ter que multar, para poder pagar as contas. A própria Conurb reconhece, que como tem faltado recursos, se intensificam as blitzes, para melhorar a arrecadação.


Esta situação cria a necessidade de multar, para poder manter toda a estrutura de fiscalização. Em geral a sinalização, as melhorias do trafego, as demais medidas educacionais e preventivas são preteridas em detrimento dos salários e dos gastos operacionais, que não fazem mais que aumentar a cada nova administração. A necessidade de multar e o estabelecimento de cotas mínimas de multas para cada agente, são iniciativas perigosas, que distorcem o objetivo da própria fiscalização.


O que tem a ver o exemplo da pequena Puigcerda? Naquele município os recursos arrecadados a cada ano pelas multas de transito são distribuídos entre os motoristas conscientes que não tiveram nenhuma multa no ano anterior. Aqui pelo andar da carruagem não sobraria nunca um centavo para distribuir, caso uma lei semelhante fosse aprovada pela Câmara de Vereadores, as despesas sempre aumentariam mais que o valor arrecadado.

Novo modelo de paisagismo

Joinville constroi aos poucos uma nova identidade, a cidade ganha novas cores, novas texturas e novos materiais ocupam o lugar dos jardins tradicionais, a sombra das árvores é substituída por outras alternativas.




A cidade perde permeabilidade, as enchentes chegam com maior frequência e intensidade. A imagem é representativa da nova cidade que estamos juntos construindo. A criatividade toma o lugar dos tradicionais jardins que fizeram de Joinville um modelo e um referencial. Agora o novo modelo de paisagismo escolheu outros caminhos.

leia mais

30 de janeiro de 2010

Transito e Educação


Em quanto alguns riem estultamente quando se fala de ter um transito mais harmónico, com respeito para os ciclistas e pedestres, o que vemos no nosso dia a dia é muito diferente disto.

Uma prova de que é possível a coexistencia harmoniosa entre ciclistas e veículos, quando existe educação e respeito é este vídeo que recebemos do Arqt. Sérgio Gollnick.

Cada um deve tirar as suas conclusões.

Para pensar acordado



"[Com a canalização] O córrego vira um tubo grande embaixo da rua. Chove muito, ele enche, a água faz pressão e volta pelo bueiro"


LUCIANA TRAVASSOS
ex-pesquisadora do Laboratório de Urbanismo da Metrópole da USP, especialista em parques lineares

Voltam na surdina os carros para a Câmara


Aproveitando o inicio do ano a Câmara de Vereadores já contratou o aluguel de carros, conforme noticiado no jornal A Noticia pela jornalista Rosane Felthaus.

O aumento do numero de veículos e a troca de modelo, por um mais sofisticado, equipado inclusive com ar condicionado, só prova uma coisa, o orçamento da Câmara de Vereadores de Joinville é excessivo. Quando sobra dinheiro a primeira opção é a de gastar em inutilidades ou em atividades desnecessárias.

Justificar que o dinheiro que sobra é devolvido ao executivo, desconsiderá dois pontos, o primeiro que ele só volta ao final do ano, se o orçamento da Câmara fosse menor, o dinheiro ja estaria disponível para atender aos joinvilenses desde o dia 1 de Janeiro. Segundo se a cada ano a Câmara não consegue gastar todo o orçamento de que dispõe não é porque administre bem, é porque é muito.


Rever os valores seria um ato de justiça, inimaginavel nesta gestão do legislativo, que parece empenhada em achar formas criativas de gastar a maior parte do orçamento.


Se lembramos que ao legislativo ser parte do governo no modelo republicano. Se aplica com toda a intensidade a frase de P.J.O´Rourke

Dar dinheiro e poder para o governo é como dar whisky e as chaves do carro para adolescentes.

Para pensar acordado


O jornal ND publica:
“Neste ano, quero intensificar a discussão sobre a urbanização de Joinville com o fórum.”

Vereador Alodir Cristo (DEM), sobre a promoção de um fórum sobre o urbanismo em abril.


Poucos vereadores tem hoje maior capacidade e conhecimento técnico sobre urbanismo que o vereador Alodir Cristo. O esforço que tem feito neste seu primeiro ano na Câmara de Vereadores, para conhecer o tema e propor mudanças a legislação, para atender e beneficiar os setores aos que esta vinculado, fazem dele um "esperto" no tema. São dele algumas das propostas mais casuísticas e pontuais que a Camara aprovou. Ninguém poderia com maior critério propor a realização de um Fórum sobre Urbanismo em Joinville.

29 de janeiro de 2010

Da Folha de São Paulo


Corrupção tem que aprender com que sabe. Procure quem tem o Know-how

Joinville, Chuvas e enchentes


Se você acha que nunca choveu tanto ou pensa que agora as enchentes são piores, vale a pena ler o livro de Wivian Nereida Silveira, "Historia das Inundações em Joinville 1851 - 2008"

A versão completa esta disponivel para download no link. conheça como a cidade foi avançando sobre areas que sabidamente tinham problemas de alagamento, saiba aonde e quando foram as maiores inundações de Joinville.

Uma aula de historia, de geografia e de teimosia.

Foco no problema ou foco na solução

O IMPORTANTE É O FOCO!

Um paciente vai num consultório e diz pro psiquiatra:

- Toda vez que estou na cama, acho que tem alguém embaixo. Aí eu
vou embaixo da cama e acho que tem alguém em cima. Pra baixo, pra
cima, pra baixo, pra cima. Estou ficando maluco!

- Deixe-me tratar de você durante dois anos. Venha três vezes por
semana, e eu curo este problema - diz o psiquiatra.

- E quanto o senhor cobra? - pergunta o paciente.

- R$ 120 por sessão - responde o psiquiatra.

- Bem, eu vou pensar - conclui o sujeito.

Passados seis meses, eles se encontram na rua.

- Por que você não me procurou mais? - pergunta o psiquiatra.

- A 120 paus a consulta, três vezes por semana, dois anos = R$ 37.440, ia ficar caro demais, ai um sujeito num bar me curou por 10 reais.

- Ah é? Como? - pergunta o psiquiatra.

O sujeito responde:

- Por R$ 10 ele cortou os pés da cama...

Muitas vezes o problema é sério, mas a solução pode ser muito simples...
HÁ GRANDE DIFERENÇA ENTRE FOCO NO PROBLEMA E FOCO NA SOLUÇÃO...

Foque uma solução ao invés de ficar pensando no problema.

Tirar o bode da sala


Tirar o bode da sala


Quem acompanha com maior ou menor interesse as sucessivas intervenções no transito, na região central de Joinville, já tem se acostumado tanto a sua inutilidade, como a sua volatilidade. Conseqüência de um processo analítico equivocado, que leva a uma sucessão de intervenções pontuais e inócuas.


Implanta um calçadão, tira o calçadão. Muda o sentido de uma rua, depois muda para o outro lado. Planta arvores, corta arvores. Alarga a calçada, estreita a calçada. coloca petit pave, tira o petit pave, coloca paver. Num processo que se reinicia uma e outra vez, a cada determinado período de tempo. Uma sucessão de tentativas, com erros e acertos. Sem quedar claro quais deles são intencionais e resultado de estudos técnicos conscienciosos e quais são resultado do mais puro acaso.


A justificativa principal para cada uma destas intervenções, tem sido a de priorizar o transporte coletivo, facilitar o acesso e a saída dos ônibus do terminal central, com isto poder ganhar alguns minutos, reduzir o custo operacional e com isto acenar com uma improvável redução do custo da passagem. Transcorridas mais de duas décadas, não parece que o resultado tenha sido o esperado. As ações tem se concentrado em fazer melhor aquilo que não precisaria nem ser feito, os esforços e investimentos para melhorar o tempo de entrada e saída do centro poderiam ser direcionados a pensar diferente. Será que precisamos que todos os ônibus passem pelo centro?


Num processo de planejamento lógico, quando as respostas estão erradas, pode ser interessante reformular as perguntas. E uma pergunta que deveria ser colocada na mesa deveria ser e se mudássemos de lugar o Terminal Central?. Se retirássemos o bode da sala o que poderia acontecer? Como os técnicos vendem a imagem que tem já todas as respostas, seria interessante que as compartilhassem com a sociedade. Todos ganharíamos com isto, porque hoje parece que ou as respostas não estão certas ou as perguntas são as que estão erradas.


Publicado no jornal A Noticia

Cidades Mais Verdes


Cidades Verdes

É preciso pensar em cidades mais verdes, cidades que proporcionem uma maior qualidade de vida. Neste sentido o verde urbano não pode ser visto exclusivamente pela ótica da sua função ornamental. Um conceito cada vez mais presente é o do “Conforto Urbano”, que incorpora a visão da cidade, novas variáveis, com o objetivo de valorizar o espaço publico, melhorar a relação da cidade com os seus moradores, para que possamos construir uma cidade mais habitável.

É o momento de negociar entre o poder publico e a sociedade um “Contrato Verde”, que defina as regras e os conceitos que estabelecerão o dialogo entre o desenvolvimento urbano e o respeito ao verde e a qualidade de vida. Um compromisso assinado entre os empreendedores imobiliários, as empresas construtoras, os agentes imobiliários e os administradores públicos, que esteja estruturado a partir de uma visão de cidade sustentável, que respeite o verde e se direcione para um urbanismo e uma habitação com qualidade de vida. O preço do desenvolvimento a qualquer custo, é alto demais para ser custeado pela sociedade. E implica ainda uma perda de valor da cidade que acaba sendo socializada entre todos.

Os espaços verdes são importantes elementos restauradores de bem-estar. A relação, das pessoas que vivem em cidades que crescem desordenadamente e tem negligenciado o planejamento urbano, o que se aplica a maioria das nossas cidades e vilas, muda com relação ao verde, a sua preservação e a sua importância para a cidade. Recentes movimentos de defesa do verde, de movimentação contra corte de arvores e por mais áreas verdes, não são fatos isolados. Representam uma mudança de atitude de uma sociedade que deseja viver em cidades melhores.

Da qualidade e da quantidade de espaços verdes, que uma cidade ofereça dependerá no futuro, a sua atratividade, a sua qualidade ambiental e a qualidade de vida dos seus moradores.

Publicado no jornal A Noticia

Genial

" UM POOL DE EX-TERRORISTAS ELABORANDO NORMAS SOBRE DIREITOS HUMANOS EQUIVALE A UM POOL DE PEDÓFILOS REVISANDO O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE... "


VISITE O NOSSO BLOG

Leis absurdas...

Circula na internet uma compilação de algumas leis absurdamente estranhas espalhadas pelo mundo a fora. Surprendentemente não foi incluída nenhuma das aprovadas recentemente pela Câmara de Vereadores de Joinville.Confiram!

França
Entre as 8 da manhã e as 8 da tarde 70% das músicas tem de ser de artistas franceses.
É proibido beijar alguém no metrô.
É proibido batizar um porco com o nome de Napoleão.
É proibido fotografar policiais e suas viaturas inclusive quando saiam em segundo plano.

Alemanha
Uma almofada pode ser considerada como uma arma passiva.
É proibido andar de máscaras pela rua.
Em qualquer escritório há de se poder ver pelo menos parte do céu.

Dinamarca
Tentar escapar da prisão não é ilegal, no entanto, se for pego terá que cumprir o resto da condenação.
Ninguém pode pôr em movimento seu veículo se há alguém embaixo dele.
Os restaurantes não poderão cobrar pela água a não ser que não esteja acompanhada com algo mais, como gelo ou uma fatia de limão.

Suécia
A prostituição é ilegal, usar o serviço de prostituição não é.
É proibido repintar tua casa sem uma licença do governo.

Suiça
Se você deixar as chaves dentro do carro com a porta destravada, será multado.

Noruega
É proibido a castrar cães ou gatos, assim como a qualquer outra espécie, inclusive homens.
As bebidas que contenham mais de 4,75% de álcool não podem ser vendidas nas eleições.

Finlândia
Os taxistas devem pagar direitos autorais se colocam música em seu carro quando transportam clientes.

Inglaterra

A lei autoriza às vendedoras a fazer topless em Liverpool, mas somente em lojas de peixes tropicais.
É ilegal pendurar roupa de cama na janela.
É proibido pescar salmão nos domingos.

Irlanda
Se você está em Cork, e vê um escocês, ainda é legal mirá-lo com arco e flecha, exceto nos Domingos.

Canadá
É ilegal tirar o curativo em público.
Em Alberta, se você esteve preso e foi liberado, tem direito a pedir um arma carregada e um cavalo para sair da cidade.
Em Ottawa a lei proibe chupar picolé no domingo atrás do Banco.
É proibido tentar aprender bruxaria.

Colômbia, Cali
A primeira vez que a mulher tiver relações com seu marido, a mãe dela deve estar no quarto para testemunhar o ato.

Mexico
É proibido queimar bonecas.

Bolívia, Santa Cruz
É ilegal para um homem ter relações com uma mulher e sua filha ao mesmo tempo.

EUA, Alabama
É proibido jogar dominó no domingo.
É ilegal usar bigode postiço que cause risos na igreja.
Colocar sal nas linhas ferroviárias pode ser castigado com a pena de morte.
Os homens não podem cuspir diante das mulheres.
É proibido vender amendoim após o entardecer das quartas-feiras em Lee Country.

EUA, Nova York
É proibido passear com um sorvete de casquinha na bolsa nos domingos.
As mulheres poderão praticar o topless em público desde que não seja com fins lucrativos.

Greene, Nova York
É ilegal comer amendoins e andar para atrás pelas ruas quando há um concerto.

Kentucky
Cada pessoa deve tomar banho ao menos uma vez ao ano.
Nenhuma mulher dever aparecer em traje de banho em nenhum aeroporto deste Estado a não ser que seja escoltada por dois policiais ou esteja armada com um cacetete. As disposições deste decreto não serão aplicadas a mulheres que pesem menos de 90 libras (aprox. 40kg.) ou mais de 200 libras (aprox. 90 kg.), nem serão aplicadas a éguas.

Lexington, Kentucky
É ilegal carregar sorvetes de casquinha na bolsa.

Atlanta
É proibido amarrar uma girafa a um poste de luz.

Chicago
É proibido comer num lugar que esteja pegando fogo.

Columbia, Pensilvânia
É proibido que um instrutor faça cócegas no aluno de auto escola para chamar sua atenção.
É proibido estourar balões na rua.
É proibido cantar no chuveiro.
Não se pode segurar um peixe por outra parte que não seja a boca.
É proibido dormir num congelador.
É proibido caminhar de costas comendo amendoins em frente ao Barnstormers Auditorium.

Carolina do Norte
Brigas entre cães e gatos são proibidas por decreto em Barber.
É proibido usar elefantes para arar os campos de algodão.
A única posição permitida é o papai-e-mamãe e com as cortinas fechadas.
Se um homem e uma mulher que não são casados se registram num hotel como casal, segundo as leis do estado, passam oficialmente a estarem casados a partir desse momento.
É ilegal praticar sexo no pátio da igreja.
O sexo oral é considerado um crime contra a natureza.

Corning, Iowa
É considerado um delito que um homem peça a uma mulher que entre em seu carro.

Idaho
É ilegal que um homem presenteie a sua amada uma caixa de bombons que pese menos de 50 libras (aprox. 23 kg).

Blythe, Califórnia
Uma pessoa deve possuir ao menos duas vacas para poder usar botas de cowboy em público.

Denver
É ilegal emprestar o aspirador de pó ao vizinho.

Devon, Connecticut
É ilegal andar para trás depois do pôr do sol.

Menphis, Tennesee,
É ilegal que uma mulher dirija um carro a não ser que tenha um homem correndo à frente dela agitando uma bandeira vermelha para avisar aos motoristas e transeuntes que se aproximam.

Pocataligo, Georgia
É delito que uma mulher de mas de 200 libras (aprox. 90 kg.) de short curto viaje ou pilote um avião.

Pocatello, Idaho
Uma lei que remonta a 1912 decreta que “é proibido levar armas ocultas, a não ser que sejam exibidas”.

Seattle
É ilegal carregar uma arma oculta que meça mas de seis pés (aprox, 1,8 metros) de comprimento.
É proibido a entrada de monstros nos limites urbanos.

Wilbur, Washington
É ilegal montar num cavalo feio.

Tulsa, Oklahoma
É contra a lei abrir uma garrafa de soda sem a supervisão de um engenheiro graduado.
É ilegal que o dono de um bar permita que alguém finja ter sexo com um búfalo.
Os cães devem ter uma permissão assinada pelo prefeito para reunir-se em grupos de três ou mais numa propriedade privada
É ilegal pôr uma pessoa hipnotizada numa vitrine.

Jonesboro, Georgia
É ilegal dizer “Oh, Boy”.

Texas
Quando dois trens chegarem juntos num cruzamento de vias, ambos devem parar completamente, e nenhum deve seguir adiante até que o outro tenha ido.
Proibido possuir um alicate.

Kansas City, Missouri
Os menores de idade não podem comprar pistolas de brinquedo; no entanto podem comprar as reais.

New Hampshire
Proibido bater os pés ou mover a cabeça ou de qualquer forma seguir o ritmo da música numa taberna, restaurante ou cafetería.

Arkansas
Uma lei diz que o rio Arkansas não pode subir mais que a altura da ponte de Main Street de Little Rock.

Massachusetts
Os cães devem ter as patas traseiras amarradas durante o mês de abril.

Virginia
A única bebida permitida na praia é água que esteja dentro de uma garrafa de plástico transparente.

Maryland
Os preservativos podem ser vendidos em máquinas somente em lugares onde são vendidas bebidas alcoólicas para consumo no local.

Rhode Island
É vedada a venda de pasta de dentes e escova de dentes ao mesmo cliente nos domingos.

Oregon
É ilegal susurrar besteiras ao amante durante o ato.
É proibido assobiar embaixo d’água.
Os animais não podem cruzar nos limites da cidade de Stanfield.

Ohio
É ilegal colocar um peixe dentro de uma camisinha.
Ninguém pode ser preso em 4 de julho e nem no domingo.
As mulheres não podem usar sapatos de couro que permita aos homens ver as suas roupas íntimas através do reflexo.
É proibido dar mais de 100 voltas nà cidade.

Libano
Os homens podem legalmente ter relações sexuais com animais, sempre que forem fêmeas. Ter relações sexuais com machos pode ser castigado com a morte.

Indonésia
A pena para a masturbação na Indonésia é a decapitação.

China, Hong Kong
Uma mulher enganada pode legalmente matar seu marido adúltero, mas deve fazê-lo só com suas mãos. Em contrapartida, a mulher adúltera pode ser morta de qualquer maneira por seu marido.
É ilegal inscrever-se na Universidade, a não ser que você seja inteligente.

Israel
É proibido meter o dedo no nariz aos sábados.
Em Haifa é proibido levar ursos à praia.

Tailândia
Se pegam você atirando um chicle no chão recebe uma multa de 600 dólares e se não pode pagar sera preso.

Camboja
É proibido o uso de pistolas de água para as celebrações de passagem de ano. não outras datas comemorativas não tem problema.

Cingapura
É proibida a venda de chiclete.
É proibido que homossexuais vivam no país.
O sexo oral é proibido a não ser que realize-se como entretenimento.
A pornografia é também proibida.

Bahrein
Um médico pode legalmente examinar os genitais femininos, mas está proibido de olhá-los diretamente durante o exame. Só pode fazê-lo mediante o uso de um espelho.

Guam
Há homens em Guam cujo único emprego, bem pago diga-se de passagem, é viajar pelo pais para deflorar virgens. A razão é que pelas leis de Guam, é proibido que as virgens se casem.

Austrália, Victoria
Somente eletricistas podem trocar lâmpadas.
É ilegal passar graxa de sapato na cara.
Os bares são obrigados a dar água e comida a seu cavalo.
Alemanha
Uma almofada pode ser considerada como uma arma passiva.
É proibido andar de máscaras pela rua.
Em qualquer escritório há de se poder ver pelo menos parte do céu.

Dinamarca
Tentar escapar da prisão não é ilegal, no entanto, se for pego terá que cumprir o resto da condenação.
Ninguém pode pôr em movimento seu veículo se há alguém embaixo dele.
Os restaurantes não poderão cobrar pela água a não ser que não esteja acompanhada com algo mais, como gelo ou uma fatia de limão.

Suécia
A prostituição é ilegal, usar o serviço de prostituição não é.
É proibido repintar tua casa sem uma licença do governo.

Suiça
Se você deixar as chaves dentro do carro com a porta destravada, será multado.

Noruega
É proibido a castrar cães ou gatos, assim como a qualquer outra espécie, inclusive homens.
As bebidas que contenham mais de 4,75% de álcool não podem ser vendidas nas eleições.

Finlândia
Os taxistas devem pagar direitos autorais se colocam música em seu carro quando transportam clientes.

Inglaterra
A lei autoriza às vendedoras a fazer topless em Liverpool, mas somente em lojas de peixes tropicais.
É ilegal pendurar roupa de cama na janela.
É proibido pescar salmão nos domingos.

Irlanda
Se você está em Cork, e vê um escocês, ainda é legal mirá-lo com arco e flecha, exceto nos Domingos.

Canadá
É ilegal tirar o curativo em público.
Em Alberta, se você esteve preso e foi liberado, tem direito a pedir um arma carregada e um cavalo para sair da cidade.
Em Ottawa a lei proibe chupar picolé no domingo atrás do Banco.
É proibido tentar aprender bruxaria.

Colômbia, Cali
A primeira vez que a mulher tiver relações com seu marido, a mãe dela deve estar no quarto para testemunhar o ato.

Mexico
É proibido queimar bonecas.

Bolívia, Santa Cruz
É ilegal para um homem ter relações com uma mulher e sua filha ao mesmo tempo.

EUA, Alabama
É proibido jogar dominó no domingo.
É ilegal usar bigode postiço que cause risos na igreja.
Colocar sal nas linhas ferroviárias pode ser castigado com a pena de morte.
Os homens não podem cuspir diante das mulheres.
É proibido vender amendoim após o entardecer das quartas-feiras em Lee Country.

EUA, Nova York
É proibido passear com um sorvete de casquinha na bolsa nos domingos.
As mulheres poderão praticar o topless em público desde que não seja com fins lucrativos.

Greene, Nova York
É ilegal comer amendoins e andar para atrás pelas ruas quando há um concerto.

Kentucky
Cada pessoa deve tomar banho ao menos uma vez ao ano.
Nenhuma mulher dever aparecer em traje de banho em nenhum aeroporto deste Estado a não ser que seja escoltada por dois policiais ou esteja armada com um cacetete. As disposições deste decreto não serão aplicadas a mulheres que pesem menos de 90 libras (aprox. 40kg.) ou mais de 200 libras (aprox. 90 kg.), nem serão aplicadas a éguas.

Lexington, Kentucky
É ilegal carregar sorvetes de casquinha na bolsa.

Atlanta

É proibido amarrar uma girafa a um poste de luz.

Chicago
É proibido comer num lugar que esteja pegando fogo.

Columbia, Pensilvânia
É proibido que um instrutor faça cócegas no aluno de auto escola para chamar sua atenção.
É proibido estourar balões na rua.
É proibido cantar no chuveiro.
Não se pode segurar um peixe por outra parte que não seja a boca.
É proibido dormir num congelador.
É proibido caminhar de costas comendo amendoins em frente ao Barnstormers Auditorium.

Carolina do Norte
Brigas entre cães e gatos são proibidas por decreto em Barber.
É proibido usar elefantes para arar os campos de algodão.
A única posição permitida é o papai-e-mamãe e com as cortinas fechadas.
Se um homem e uma mulher que não são casados se registram num hotel como casal, segundo as leis do estado, passam oficialmente a estarem casados a partir desse momento.
É ilegal praticar sexo no pátio da igreja.
O sexo oral é considerado um crime contra a natureza.

Corning, Iowa
É considerado um delito que um homem peça a uma mulher que entre em seu carro.

Idaho
É ilegal que um homem presenteie a sua amada uma caixa de bombons que pese menos de 50 libras (aprox. 23 kg).

Blythe, Califórnia
Uma pessoa deve possuir ao menos duas vacas para poder usar botas de cowboy em público.

Denver
É ilegal emprestar o aspirador de pó ao vizinho.

Devon, Connecticut
É ilegal andar para trás depois do pôr do sol.

Menphis, Tennesee,
É ilegal que uma mulher dirija um carro a não ser que tenha um homem correndo à frente dela agitando uma bandeira vermelha para avisar aos motoristas e transeuntes que se aproximam.

Pocataligo, Georgia
É delito que uma mulher de mas de 200 libras (aprox. 90 kg.) de short curto viaje ou pilote um avião.

Pocatello, Idaho
Uma lei que remonta a 1912 decreta que “é proibido levar armas ocultas, a não ser que sejam exibidas”.

Seattle
É ilegal carregar uma arma oculta que meça mas de seis pés (aprox, 1,8 metros) de comprimento.
É proibido a entrada de monstros nos limites urbanos.

Wilbur, Washington
É ilegal montar num cavalo feio.

Tulsa, Oklahoma
É contra a lei abrir uma garrafa de soda sem a supervisão de um engenheiro graduado.
É ilegal que o dono de um bar permita que alguém finja ter sexo com um búfalo.
Os cães devem ter uma permissão assinada pelo prefeito para reunir-se em grupos de três ou mais numa propriedade privada
É ilegal pôr uma pessoa hipnotizada numa vitrine.

Jonesboro, Georgia
É ilegal dizer “Oh, Boy”.

Texas
Quando dois trens chegarem juntos num cruzamento de vias, ambos devem parar completamente, e nenhum deve seguir adiante até que o outro tenha ido.
Proibido possuir um alicate.

Kansas City, Missouri
Os menores de idade não podem comprar pistolas de brinquedo; no entanto podem comprar as reais.

New Hampshire
Proibido bater os pés ou mover a cabeça ou de qualquer forma seguir o ritmo da música numa taberna, restaurante ou cafetería.

Arkansas
Uma lei diz que o rio Arkansas não pode subir mais que a altura da ponte de Main Street de Little Rock.

Massachusetts
Os cães devem ter as patas traseiras amarradas durante o mês de abril.

Virginia
A única bebida permitida na praia é água que esteja dentro de uma garrafa de plástico transparente.

Maryland
Os preservativos podem ser vendidos em máquinas somente em lugares onde são vendidas bebidas alcoólicas para consumo no local.

Rhode Island

É vedada a venda de pasta de dentes e escova de dentes ao mesmo cliente nos domingos.

Oregon
É ilegal susurrar besteiras ao amante durante o ato.
É proibido assobiar embaixo d’água.
Os animais não podem cruzar nos limites da cidade de Stanfield.

Ohio
É ilegal colocar um peixe dentro de uma camisinha.
Ninguém pode ser preso em 4 de julho e nem no domingo.
As mulheres não podem usar sapatos de couro que permita aos homens ver as suas roupas íntimas através do reflexo.
É proibido dar mais de 100 voltas nà cidade.

Libano
Os homens podem legalmente ter relações sexuais com animais, sempre que forem fêmeas. Ter relações sexuais com machos pode ser castigado com a morte.

Indonésia
A pena para a masturbação na Indonésia é a decapitação.

China, Hong Kong
Uma mulher enganada pode legalmente matar seu marido adúltero, mas deve fazê-lo só com suas mãos. Em contrapartida, a mulher adúltera pode ser morta de qualquer maneira por seu marido.
É ilegal inscrever-se na Universidade, a não ser que você seja inteligente.

Israel
É proibido meter o dedo no nariz aos sábados.
Em Haifa é proibido levar ursos à praia.

Tailândia
Se pegam você atirando um chicle no chão recebe uma multa de 600 dólares e se não pode pagar sera preso.

Camboja
É proibido o uso de pistolas de água para as celebrações de passagem de ano. não outras datas comemorativas não tem problema.

Cingapura
É proibida a venda de chiclete.
É proibido que homossexuais vivam no país.
O sexo oral é proibido a não ser que realize-se como entretenimento.
A pornografia é também proibida.

Bahrein
Um médico pode legalmente examinar os genitais femininos, mas está proibido de olhá-los diretamente durante o exame. Só pode fazê-lo mediante o uso de um espelho.

Guam
Há homens em Guam cujo único emprego, bem pago diga-se de passagem, é viajar pelo pais para deflorar virgens. A razão é que pelas leis de Guam, é proibido que as virgens se casem.

Austrália, Victoria
Somente eletricistas podem trocar lâmpadas.
É ilegal passar graxa de sapato na cara.
Os bares são obrigados a dar água e comida a seu caval

Orçamento Participativo (2)

Orçamento Participativo (2)

Faz alguns meses por conta da implantação do Orçamento Participativo, ocupei este espaço para comentar os enormes desafios que representaria para Joinville a implantação de um modelo de gestão publica, que exigia a participação de todos. A sociedade cumpriu o seu papel, identificou e escolheu as suas prioridades, se ateve ao orçamento disponível e de forma firme fez as suas escolhas.

Agora o desafio do orçamento participativo entra na sua fase II, que é a mais complexa e desafiante, a que exigirá do executivo um esforço maior. A administração publica não tem por habito ouvir a população, insiste em ter todas as respostas e por tanto não precisa escutar os leigos e aqueles que não são técnicos.

Cada um dos projetos escolhidos pela sociedade, representada pelos seus delegados, deverá agora ser apresentado aos delegados de cada regional, que opinarão e poderão fazer as suas sugestões, verificar se de fato as propostas que os técnicos apresentam atendem as demandas da sociedade. Algo que nunca foi feito, e que exigirá por parte de todos, um exercício de humildade. Identificar exatamente as necessidades, quer dizer escutar. Se for solicitada uma calçada para caminhar com segurança, não deve ser oferecida uma academia ao ar livre. Se a demanda é para um espaço de lazer que atenda as demandas de um bairro é isto que deve ser projetado e licitado.

A facilidade que alguns tem para complicar as coisas mais simples, faz que não se façam nem as simples e muito menos as complexas, por conta desta forma de agir e de pensar, quase que o projeto de abrir a Rua Hermann August Lepper para caminhadas e pratica de esporte aos domingos, teria ficado só no papel. O que Joinville precisa é aprender a escutar mais o que a sociedade quer. E o Orçamento Participativo é um caminho, pode ser que os técnicos aproveitem a oportunidade deste processo de aprendizado e acabemos ganhando todos.

Publicado no jornal A Noticia

A Soberba

Parece que para alcançarem determinados cargos ou postos importantes dentro dos setores públicos ou privados, tenha se estabelecido como pré-requisito para alguns: A soberba. Ser soberbo parece que agrega pontos no currículo e qualifica melhor.

Na definição do dicionário Aurélio, a soberba, um dos pecados capitais, é um dos mais letais na vida, significando, “orgulho excessivo; arrogância”.

Os romanos, no esplendor do seu império, tinham o costume de colocar imediatamente atrás do imperador, que chegava triunfante das batalhas, um escravo, que ate poucos dias antes, tinha sido ele próprio rei de um império e que a partir da sua derrota, se via convertido num escravo. A função do escravo era a de lembrar ao imperador, inebriado de orgulho e aclamado pelos seus triunfos, que ele era um mortal, e que poderia caso fracassasse ser ele próprio um escravo no futuro. Uma maneira inteligente de lembrar a fragilidade da condição humana.

Sabemos que todo o orgulho pode levar a um excesso de autoconfiança prejudicial, e a arrogância pode se transformar em uma arma letal, que comprometa nossa capacidade de gerar mudanças inovadoras ou produtivas. Gera uma cegueira tal, que impede de enxergar o obvio, nós leva a ter respostas para todas as perguntas, inclusive as que nem chegaram a ser formuladas.

Ninguém esta a salvo de cometer este pecado, que não faz diferença entre rico ou pobre, nem por sexo ou escolaridade. Corremos o risco de até generalizar, dizendo que quanto mais alto se ascende na escala social maior à propensão a ser soberbo. Ao contrário do que se acredita o rico não necessariamente é mais soberbo que o pobre, nem o pobre é mais humilde e por tanto menos soberbo. Encontramos em todas as classes sociais pessoas soberbas ou humildes.

A soberba vem acompanhada pela falta de humildade para ouvir e aprender, e ainda pelo excesso de vaidade, pelo próprio saber ou sucesso. E finalmente atordoa pelo orgulho excessivo, arrogância e presunção. A pessoa fica estulta ao ponto que o seu convívio em sociedade chega a ficar comprometido.

Qualquer paralelismo ou semelhança com pessoas e situações recentes do nosso quotidiano, não são mera coincidência e devem servir de profunda reflexão e de oportunidade para a pratica da humildade. Joinville é uma cidade orgulhosa, nunca foi uma cidade soberba.

Publicado no jornal A Noticia

28 de janeiro de 2010

Camara estuda alterações a legislação

De maneira fortuita e casual este blog teve acesso ao uma versão preliminar da nova proposta de consolidação da legislação urbanística

Para facilitar a compreensão por parte da sociedade da complexa legislação urbanística de Joinville, a Câmara de Vereadores deve estar trabalhando arduamente numa nova versão, que pela sua simplicidade será mais bem aceita e comprendida pela população e atenderá de forma clara a todos os interesses expressos na versão anterior aprovada no final do ano 2009.


A nova versão deverá ter uma justificativa e apenas dois únicos artigos, que inicialmente terão a seguinte redação:


Frente à complexidade que representa a compreensão, interpretação, aplicação e fiscalização da legislação urbanística da cidade de Joinville, a Câmara de Vereadores, com o objetivo superior de facilitar a vida dos munícipes, presenteiam a cidade com uma legislação resumida, de mais fácil leitura e entendimento e que sintetiza todos os interesses e vontades dos seus cidadãos e dos vereadores na construção de uma cidade eficiente e desburocratizada.


Com tal justificativa o projeto de lei teria apenas dois artigos:


Redação Final do Projeto de Lei Complementar Nº 01/10

ALTERA E DÁ NOVA REDAÇÃO À LEI COMPLEMENTAR Nº 27, DE 27 DE MARÇO DE 1996, QUE ATUALIZA DE FORMA INDISCRIMINADA TODAS AS NORMAS DE PARCELAMENTO, USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NO MUNICÍPIO DE JOINVILLE E IMPUGNA QUAISQUER OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Art. 1. - A cidade de Joinville terá seu território dividido em duas zonas de ocupação, definidas como ZOE e ZOL, que se encontrarão livremente distribuídas por todos os bairros e regiões da cidade. Podendo ser indistintamente utilizadas, de acordo com os interesses e objetivos de cada morador:


Parágrafo 1º. - As ZOEs (Zonas de Ocupação Espontânea) são zonas que podem ser ocupadas por todos os moradores da cidade, sem necessidade especifica de autorização expressa do município e das suas autoridades, nestas zonas não será preciso solicitar a Viabilidade de Construção, quaisquer outro documento ou respeitar qualquer índice construtivo;

Parágrafo 2º. - As ZOLs (Zonas de Ocupação Livre) São as zonas destinadas aos cidadãos que estando ainda habituados ao modelo tradicional de uso e ocupação insistam em querer conferir a sua construção algum âmago de legalidade, nestes casos será aceita a solicitação da Viabilidade de Construção e em casos excepcionais e depois de solicitado insistentemente, poderá ser emitido um alvará de construção. Nestas zonas o gabarito, recuos e demais limitações existentes nas legislações anteriores passam a ser LIVRES.


Art. 2. - Se revogam todas as leis anteriores e as disposições em sentido contrario.

Aprovado por unanimidade pela Comissão de Urbanismo e de Legislação e Justiça da Câmara de Vereadores, após longo período de estudo, viagens técnicas e pareceres fornecidos pelos competentes técnicos da casa e cumpridas todas as obrigações legais estabelecidas por Lei Federal quando a divulgação e consultas e audiências publicas.


Aprovado por unanimidade pelo Plenário da Câmara de Vereadores de Joinville, protocolado no Executivo Municipal, que dentro de prazo legal dará parecer, que em mesmo vetando, será aprovado na Câmara de Vereadores, pois não é uma questão técnica e sim uma questão de capricho político, independe dos resultados danosos sobre a cidade.

As calçadas do 62 BI

Em azul o texto do e-mail enviado a Rocheli Grendene, a simpatica e empenhada Secretaria Regional do Centro

Prezada Rocheli

Se por um lado que a falta de experiencia justifica erros, tambem acho que estamos todos, ainda, com vontade de ajudar.
Gostaria de lembrar que:

1.- A calçada do 62 BI foi incluida pelos delegados do OP da nossa regional depois da apresentação por parte dos tecnicos do IPPUJ do orçamento correspondente. Em outras palvras tinha um orçamento e alocamos os recursos orçados.

2.- Não se justifica agora esta confusão com ACIJ, Tupy, e Cia.

3.- Deixamos claro e eu especialmente que entendiamos que o nosso papel como delegados era o de acompanhar e fiscalizar TODOS os passos da execução do OP na nossa regional. Por tanto alem de indicar um representante para o Conselhão do OP, o nosso conselho continuava firme e preparado para fiscalizar a execução das obrasa aprovadas no OP da nossa regional.

4.- Que queremos acompanhar o projeto que o IPPUJ esta elaborando e aprova-lo antes que seja contratado e executado., não só para as calçadas do 62 BI e sim para todas as intervenções do OP na nossa regional.

5.- Que os erros anteriores e a dificuldade para envolver de forma eficaz a sociedade nos processos da cidade, não justificam nem novos erros, nem a continuidade dos anteriores.

6.- Que não é valido, usar o Conselho do OP, só para que faça algumas escolhas, a luz de determinadas informações e depois seja corresponsabilizado do bom o mau andamento das obras contratadas.

Este tema merecerá um post mais extenso, ainda hoje.

Para pensar acordado



O melhor governo é aquele em que há o menor número de homens inúteis.

27 de janeiro de 2010

Para pensar acordado


A forma como os nossos politicos locais estão se comunicando ultimamente, lembra uma frase de Reinaldo Azevedo:

" Nada como falar o que bem entende a uma platéia mais ignorante do que o próprio orador. É a situação ideal para um idiota passar por sábio."

Soa bem parecido aos discursos recentes do executivo e do legislativo. Vontade de chorar.

A negociata dos Rafales

A NEGOCIATA COM OS RAFALES: EIS O GRANDE ESCÂNDALO

por Reinaldo Azevedo



Não fosse essa espécie de abdução coletiva a que estamos todos submetidos, com “O Cara” deitando e rolando sobre as instituições — e a moralidade pública — , o caso dos caças Rafale seria tratado como aquilo que é: UM ESCÂNDALO, talvez o maior do governo Lula. Não é assim porque eu quero. É assim porque é. A Índia abriu uma concorrência internacional para a compra — ATENÇÃO!!! — de 126 caças. Valor que se dispõe a pagar a Força Aérea Indiana: US$ 10 bilhões. Seis modelos participaram da primeira rodada de seleção: os americanos F 18 e F 16, o Eurofighter Typhoon, o russo MiG 35, o sueco Gripen NG e o Rafale. Só um caça foi descartado no começo da disputa: o Rafale. Justificativa: não cumpria os requisitos mínimos de desempenho técnico exigidos pela Força Aérea Indiana.


Como vocês sabem, o
Rafale é o caça que Lula decidiu comprar ao arrepio da recomendação da Aeronáutica, que é quem entende da área no Brasil. Lula, o Homem com o Isopor na Cabeça, é especialista em outros assuntos. Muitos indagarão: “Mas o escândalo está em ter a Força Aérea da Índia rejeitado o Rafale, que Lula quer comprar?” Não! Já contei onde está. É que a abdução em curso está nos impedindo de ver as coisas com a rapidez necessária. Já chego lá. Antes, algumas outras considerações. Ah, sim: depois de ler este post, você pode obter mais detalhes na concorrência indiana no site India Defence. Sigamos.

Enquanto o Rafale esteva na concorrência, Nicolas Sarkozy, o camelô de aviões e marido de Carla Bruni, fez o mesmíssimo lobby que vem fazendo no Brasil. A diferença é que, na Índia, a avaliação é realmente técnica. Por lá, não basta apenas adular o imperador absolutista, dispensar-lhe rapapés, elegê-lo “o homem do ano”, para embolsar alguns bilhões. Desde o começo da concorrência, informam os sites indianos que trataram do assunto, o Rafale era considerado a pior alternativa entre — atenção! — SETE MODELOS.

A chamada grande imprensa, que a canalha petralha acusa de ser “antigovernista” (podem rolar de rir), se interessou pelo assunto? Que eu tenha achado, só o Estadão Online publicou um despacho da Reuters no dia 16 de abril de ano passado. Depois o assunto sumiu. Como vocês sabem, a Força Aérea Brasileira também não quer o Rafale. Entre os três caças que avaliou, preferiu o sueco Gripen NG. Em segundo lugar, ficou o F-18. Em último, o avião francês. Como reagiu o governo do Homem do Ano do Le Monde? Considerou a hipótese de punir o que chamou de “vazamento” do relatório. Onde já se viu a Aeronáutica ficar se metendo com caças?

Celso Amorim, um gigante da filosofia, ainda maior por dentro do que por fora, deu-se a especulações metafísicas: “Às vezes, o barato sai caro”. Samuel Pinheiro Guimarães, o chefe da banda antiamericana do governo e da Sealopra, indagou se a gente compra um carro só pensando no preço… A mediocridade dessa gente é espantosa, especialmente quando tenta mimetizar Lula nas suas filosofadas e metáforas. O que, nele, aspira a um saber popular revela-se pelo que é na boca dos doutores: BOÇALIDADE PURA E SIMPLES.

E o escândalo, além do fato de que Lula anunciou o vitorioso quando a avaliação estava em curso??? Vamos lá. A Dassault, que fabrica os Rafales, se ofereceu para vender 126 caças à Índia por US$ 10 bilhões. Preço médio de cada avião: US$ 79.365.079,36. O Brasil está disposto a pagar R$ 10 bilhões por 36 aviões — ou US$ 5.681.818.181. Dividindo-se esse valor em dólar pelo número de aparelhos, chega-se ao custo unitário: US$ 157.828.282,82. Cada Rafale para o Brasil custa quase o que o dobro do que custaria para a Índia.

Atenção: ESTAMOS FALANDO DO MESMO MODELO DE AVIÃO E DE CONCORRÊNCIAS FEITAS AO MESMO TEMPO.

Agora entendo o que o sr. Samuel Pinheiro Guimarães quer dizer quando afirma que a gente não compra um carro só pelo preço. No caso, parece que se compra também para agradar o fornecedor, não é mesmo? Que, sei lá, se não tiver o coração tão duro quanto o do faraó, dá ao menos um chaveiro de presente ao comprador. Já quanto a Amorim, o que pensar? Nem uma antítese tornada um clichê popular resiste a este monumento, logo involuindo para a tautologia: O CARO SAI CARO!

É incrível que um dos maiores negócios do governo Lula, com jeito, história e números de negociata, se faça sob o silêncio cúmplice de boa parte da imprensa e, como não poderia deixar de ser, da oposição.

Fonte: Veja

Ponto e Contraponto (2)


Pelo nível do "debate" os textos estão começando a subir de tom. O que prova que as criticas constantes ao modelo de gestão que o IPPUJ tem praticado na ultima década, desperta opiniões a favor e contra.O nível de virulência dos textos, mostra que os golpes estão sendo encaixados e que o fígado esta começando a doer.

O texto do Arqt. Marcel Virmond Vieira no jornal A Noticia "Gestores" reconhece que:

"Na prática da gestão urbana, somos diariamente confrontados com difíceis escolhas. Na impossibilidade de transformar radicalmente a paisagem da cidade naquela que acreditamos ser a ideal, diante da assincronia entre a dinâmica urbana e o tempo de construção dos cenários vislumbrados, diante também das limitações técnicas e econômicas, somos levados a optar entre o bom e o razoável, entre realizar o imperfeito ou permanecer no sonho. Enquanto isso, a cidade real prossegue em seu movimento desconexo."

O Arqt. Sérgio Guilherme Gollnick, no seu blog Viver Urbanamente, escreve o texto "O Malabarista":

"Algumas atitudes se mostram patéticas, as de enjeitar responsabilidades sobre a gestão urbana, que nos últimos nove anos estiveram sob a responsabilidade cabal de um mesmo grupo, mesmo com a mudança de matiz partidária da gestão municipal. É patético, senão trágico, ver responsáveis políticos, sejam eles gestores eleitos ou àqueles indicados por alguém, que gravitam no centro do poder, a descartarem-se das suas responsabilidades,
"

Novos textos e opiniões devem aumentar o debate, o que surpreende porem é a dificuldade dos gestores públicos para "escutar" a sociedade. A soberba não é uma boa conselheira, quem é detentor de um cargo publico e por tanto servidor publico, perde a noção da realidade ao ponto de ter já todas as respostas, sem precisar escutar nem as perguntas e nem ouvir ou considerar novas alternativas. quando já se tem todas as respostas pode ser o momento certo para mudar as perguntas.

Tambem neste blog veiculamos o texto do Arqt. Arno Kumlehn, A Dialetica Espaço Temporal, e destacamos os paragrafos:

" Alguns dos resultados práticos da gestão urbana de difíceis escolhas diárias esta em parte diretamente vinculado ao tempo gasto com planejamento urbano, é realmente difícil pensar Joinville apenas em meio expediente somado aos afazeres burocráticos. Resultado pratico ou concreto deste procedimento é os camaristas fazerem planejamento urbano apenas com leis."

"“Optar entre bom ou razoável, entre realizar o imperfeito ou permanecer no sonho” no meu entendimento não são palavras apropriadas aos gestores públicos, portanto vou continuar sonhando ouvir destes que optamos (democrática e participativamente) pelo melhor para a cidade e que faremos obrigatoriamente uma gestão competente dos recursos. "

É recomendavel a leitura atenta de cada um dos textos, que estimulam um debate inexistente numa cidade, em que o dialogo se impõe pela "força da lei"

A DIALÉTICA ESPAÇO TEMPORAL


Recebemos e publicamos este texto do Arqt. Arno Kumlehn, que contribui a formação do debate, serve para enriquecer o contraditório.


Esta é uma visão critica de quem não tem senso de critica afirmado no texto.


Além de mim, o texto a meu ver, veste muito bem varias pessoas (Jordi, Sergio, Rosana, Bustamante... tem mais,... inclusive gestores públicos que infelizmente estão na arquibancada apenas assistindo)


O texto deve ser lido juntamente com o artigo GESTORES publicado quarta feira, dia 27/01/10, pagina 3 do Jornal A Noticia.


O ser democrático deve aceitar qualquer manifestação de pensamento contraditório, minha analise do texto publicado é sobre a subversão ou falta de conceitos e visões sobre metodologias de trabalho dos envolvidos ou responsáveis.


Minhas verdades são minhas verdades. Elas estão sujeitas a serem alteradas.



A DIALÉTICA ESPAÇO TEMPORAL



(não confundir temporal com possibilidade de alagamento)


Alguns dos resultados práticos da gestão urbana de difíceis escolhas diárias esta em parte diretamente vinculado ao tempo gasto com planejamento urbano, é realmente difícil pensar Joinville apenas em meio expediente somado aos afazeres burocráticos. Resultado pratico ou concreto deste procedimento é os camaristas fazerem planejamento urbano apenas com leis.


Afirmar que existe “assincronia entre a dinâmica urbana e o tempo de construção” é o mesmo que dizer que Einstein é autor de uma fabula chamada “Teoria da Relatividade”, onde espaço e tempo se fundem para podermos reconhecer que cada um analisa um evento conforme a distância que se encontra dele. Portanto a construção da cidade faz parte de sua própria dinâmica. Apenas meio dia de analise torna a observação do evento urbano bem distante, diria quase míope. A teoria de Einstein ou a cidade quando bem estudadas demonstram não serem difíceis.


“Optar entre bom ou razoável, entre realizar o imperfeito ou permanecer no sonho” no meu entendimento não são palavras apropriadas aos gestores públicos, portanto vou continuar sonhando ouvir destes que optamos (democrática e participativamente) pelo melhor para a cidade e que faremos obrigatoriamente uma gestão competente dos recursos. Ao afirmar reconhecer que a gestão publica realiza o imperfeito, me faz lembrar um iluminista do século 18, que afirmou que “as coisas publicas se sustentam com o supérfluo do privado”. Para ficar mais claro, o anedotário popular conta que um construtor de obra publica chegou ao balcão para cobrar pelo serviço e apresentou duas notas fiscais. Ao ser interpelado pelo gestor publico pelas duas faturas escutou: uma é pela obra feita e a outra pelo conserto. Todos sabemos quem irá pagar as contas do imperfeito.


Os alagamentos, a falta de pavimentação, passeios, educação no transito são resultado de nossas incapacidades, patrocinado pelo modelo de “pensamento uno, linear e hierárquico”, portanto expressão material do que construímos. Muitos confundem erroneamente a expressão pós-modernismo apenas com um estilo de arte ou arquitetura, porém seu significado é mais amplo ao afirmar de que não temos apenas uma verdade sobre os eventos de nossa vivência e que todos devem interagir e se apropriar de muitas verdades. Kant, Ponty e Weber há décadas nos alertaram sobre estes assuntos: humildemente “mudando seu ponto de observação sobre o objeto você vera outra verdade”, portanto “o mundo não é como você vê, e sim como outros vêem” que nos obriga ao dialogo para definir a cidade “mais pelas dinâmicas e relacionamentos do que pela sua fisicidade”. A cidade rizoma vai muito alem do conceito da espacialidade física, parcialmente demonstrada por Christaller, “onde a importância dos agentes físicos é ofuscada pela ênfase dada a fatores econômicos e sociais”.


Quanto ao futebol, piano, tomates e o choro de crianças pequenas, nós é que devemos encarar com serenidade e paciência o discurso vazio dos mimados que não aceitam o contraditório.


Do jornalista Luiz Verissimo

Na sua coluna o jornalista Luiz Verissimo, bom conhecedor do nosso legislativo, informa com relação ao projeto de lei 20/08:

Confirmados os vetos

Apenas três vetos do Executivo foram confirmados no projeto de lei aprovado pela Câmara de Vereadores de Joinville. Só um deles deverá provocar discussão quando os vetos forem para a Comissão de Legislação e Justiça a partir de 1o de fevereiro: o recuo frontal nas servidões (vias públicas com menos de oito metros). Os vereadores mudaram para beneficiar centenas de famílias que residem na maioria das 290 servidões existentes. Os outros dois deverão ser mantidos. Na mensagem enviada à Câmara de Vereadores, Carlito Merss afirma que poderia vetar o projeto por inteiro, só não o fazendo “em homenagem ao esforço realizado pelo Legislativo”. Ele espera que os vereadores encontrem uma solução jurídica para o que ele chamou de “impasses legais”. Os outros dois vetos são referentes ao bairro Espinheiros e à redução das áreas de lazer nos loteamentos.

Promulgação

Como o projeto não foi assinado (sancionado), ele retorna à Câmara para análises dos vetos. Os vereadores têm 30 dias para analisar nas comissões e votar em plenário. Se a maioria de dois terços concordar com eles, o projeto retorna à Prefeitura para ser promulgado. Caso os vetos sejam derrubados, o prefeito terá 48 horas para se manifestar.

Como informa o jornalista, ao contrario da informação divulgada por outras fontes, o prefeito Carlito Merss, não sancionou a lei, que precisa voltar para a Camara e ser alterada. Só depois poderá ser sancionada.


Ponto e Contraponto


Pelo nível do "debate" os textos estão começando a subir de tom. O que prova que as criticas constantes ao modelo de gestão que o IPPUJ tem praticado na ultima década, desperta opiniões a favor e contra.O nível de virulência dos textos, mostra que os golpes estão sendo encaixados e que o fígado esta começando a doer.

O texto do Arqt. Marcel Virmond Vieira no jornal A Noticia "Gestores" ao mesmo tempo em que reconhece que:

"Na prática da gestão urbana, somos diariamente confrontados com difíceis escolhas. Na impossibilidade de transformar radicalmente a paisagem da cidade naquela que acreditamos ser a ideal, diante da assincronia entre a dinâmica urbana e o tempo de construção dos cenários vislumbrados, diante também das limitações técnicas e econômicas, somos levados a optar entre o bom e o razoável, entre realizar o imperfeito ou permanecer no sonho. Enquanto isso, a cidade real prossegue em seu movimento desconexo."

O Arqt. Sérgio Guilherme Gollnick, no seu blog viver urbanamente, escreve o texto "O Malabarista":

"Algumas atitudes se mostram patéticas, as de enjeitar responsabilidades sobre a gestão urbana, que nos últimos nove anos estiveram sob a responsabilidade cabal de um mesmo grupo, mesmo com a mudança de matiz partidária da gestão municipal. É patético, senão trágico, ver responsáveis políticos, sejam eles gestores eleitos ou àqueles indicados por alguém, que gravitam no centro do poder, a descartarem-se das suas responsabilidades,
"

Novos textos e opiniões devem aumentar o debate, o que surpreende porem é a dificuldade dos gestores públicos de "escutar" a sociedade, a soberba não é uma boa conselheira, quem é detentor de um cargo publico e por tanto servidor publico, perde a noção da realidade ao ponto de ter já todas as respostas, sem precisar escutar nem as perguntas e nem ouvir ou considerar novas alternativas. quando já se tem todas as respostas pode ser o momento certo para mudar as perguntas.

26 de janeiro de 2010

Serviço de Utilidade Publica

Se tiver interesse em conhecer o manual de intervenção em ruas e espaços publicos da cidade de Nova York, de um click aqui.

O manual esta disponivel em pdf, para download. quem sabe tem alguem aqui que possa aproveitar alguma coisa.

Ciclovias e Ciclistas (*)


Ciclovias

Joinville tem implantado nos últimos anos alguns kilometros de ciclovias e ciclo faixas, a maioria dos usuários fica na duvida entre elogiar e criticar e na verdade se por um lado devemos elogiar que a cidade invista em ciclovias, sempre fica a impressão que é pouco, que não estão nos lugares certos e que por não estar interligadas, não estimulam o uso da bicicleta como uma opção real de transporte.

Algumas das ciclo faixas foram implantadas em ruas que pela sua topografia, desestimulam o uso pelos ciclistas, ou por ser muito movimentadas. Na Europa é normal que para as bicicletas se criem roteiros alternativos, mais seguros, menos ingrimes e mais adequados ao perfil dos ciclistas. Porem ao vincular nos projetos de asfaltamento das ruas o financiamento publico a construção de ciclo faixas a idéia que é boa acaba criando mais confusão que soluções.

A revista Galileo traz informações interessantes sobre mobilidade urbana, principalmente sobre os ciclistas, as ciclo faixas e a situação atual no Brasil. Claro que nunca esta demais lembrar que nada melhor que as estatísticas, para poder deturpar as informações, como dizia Churchill, existem as mentiras e as estatísticas. Bom vamos la:

- São Paulo tem apenas 17,5 km de ciclovias em ruas e outros 19 km em parques.
- O Brasil tem em total 2,5 mil km de ciclovias construidos em 280 cidades. Em 2003 eram só 600 km.
- Bogotá possui cerca de 300 km
- Berlim 625 km
- Paris 379 km
- Amsterdã 400 km

Outras informações:
- 7,4 % dos deslocamentos diários – 15 milhões de viagens – são feitos em bicicleta no Brasil

Para pensar acordado

O que pensamos,
ou o que sabemos,
ou aquilo no que acreditamos,
tem pouca importância.
O único que conta é o que fazemos!

Noções Basicas de Administração Publica (*)


Em 2004, não faz tanto tempo, a praça do mercado municipal foi reformada, o orçamento foi de mais de R$ 600.000 o que não era pouco dinheiro e continua não sendo. Foi na gestão do prefeito Marco Tebaldi.


Como a prefeitura municipal insiste em não fazer nenhuma manutenção dos espaços públicos e não prevê orçamento nem para repor os elementos mais simples, em pouco tempo a imagem que fica é a do abandono e o desleixo. Como se alguém de nós não repintasse a casa de tanto em tanto, ou não cortasse a grama do jardim, em pouco tempo o jardim estaria tomado de mato e o gramado irremediavelmente perdido. Com Joinville não é diferente.


A falta de manutenção faz que o patrimônio publico se deteriore a olhos vista e que sejam necessários investimentos desproporcionais para revitalizar, reformar ou quaisquer outro nome que a administração de plantão venha a utilizar, para justificar o que fica difícil de justificar.


Esta forma de agir, não é exclusividade do executivo municipal, também o nosso legislativo, que inaugurou, incompleta a sua pomposa sede, faz menos de 5 anos, é já esta tendo que reformar-la e modificar-la. Em parte porque não teve a manutenção adequada, em parte e parece mais grave, porque o projeto não previa adequadamente atender as demandas básicas que se propunha. E os gabinetes dos vereadores ficaram acanhados e já precisam de reformas.


Esta forma de gerir os bens públicos esta baseada na equação:


BP = CB + FM + RC


traduzida seria BP (Bem Publico) = CB (Construção Barata) que deve ser entendida como da baixa qualidade e não como de baixo custo. + FM (Falta de Manutenção) que deve ser entendida exatamente como ausência total + RC (Reforma Cara) que não deve necessitar de maior esclarecimento. Esta equação traz os resultados que todos conhecem.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...