24 de maio de 2016

Parque ou prédios?

Parque ou prédios?

A informação que o projeto da LOT permitirá a construção de prédios de até 10 pavimentos no imóvel do 62 BI, deu inicio a um debate entre os que achamos que, se algum dia o exercito sair de lá o espaço deve ser público e deveria ser destinado ao grande parque que Joinville segue sem ter e os que acham que não há nada de errado em que se construa naquele espaço um empreendimento imobiliário. Independentemente do positivo do debate, um ponto chama a atenção e preocupa. A quase um unanimidade entre os joinvilenses em não acreditar que o poder publico tenha condições, não se de fazer, mas de manter um parque público.

É bom lembrar que depois de gastar aproximadamente R$ 14 milhões, com recursos do Fonplata, para construir parques, Joinville continua sem ter um parque digno desse nome. Os recursos já foram quase todos gastos e nem rastro de um parque. A cidade continua carente de áreas públicas para o lazer. Se queremos conhecer um parque teremos que pegar o carro e dirigir até outras cidades. O resultado visível, é algumas praças. O poder publico insiste teimosamente em denomina-las de “parque”, a pesar de não atender aos critérios mínimos para que possam ser consideradas parques de pleno direito. Pior ainda é impossível achar uma única praça que não esteja abandonada. O Joinvilense paga o preço das obras mal planejadas, pior executadas e sem nenhuma outra manutenção que roçadas periódicas, com o único objetivo de evitar que a natureza selvagem volte a se apossar dos espaços que lhe foram violentamente arrebatados.


Tem razão o Joinvilense em não acreditar na capacidade da sua administração municipal. Tem além de razão, bons motivos para sustentar essa opinião. Parques e praças abandonados são espaços férteis para a insegurança, para a violência e para a degradação urbana. Há algo de muito errado na forma de ver e entender a cidade e o seu desenvolvimento quando se prefere uma calçada a um parque. Mesmo tendo bons exemplos de parques públicos no Brasil e em cidades próximas o joinvilense desistiu de acreditar num parque para Joinville. É triste e assustador quando se desiste de um parque porque se sabe que não há competência para mantê-lo. É o reconhecimento da falência do poder público, que não consegue nem cumprir as suas obrigações mais triviais. Ainda bem que 2016 é ano eleitoral. 

Se você acha que o espaço deve continuar sendo público e destinado a um parque, assine a petição

27 de abril de 2016

Prédios de 10 pavimentos ou um parque?

Joinville não tem um parque central. Os 60.000 m² da área de 62 Batalhão de Infantaria são uma das poucas alternativas que a cidade teria para criar um parque bem localizado, com características que permitem a conversão num espaço verde, para o lazer e a cultura. Mas o local hoje está ameaçado pela pressão imobiliária. Há uma proposta para permitir a construção de prédios de 10 andares no local coloca em risco o futuro deste espaço.
O assunto só agora começa a ter a atenção da comunidade. Há quem ache importante a mobilização da sociedade no sentido de escolher entre o parque e os prédios. Há mesmo uma petição a angariar assinaturas a favor do parque. O debate está lançado. Você tem alguma opinião? Se tem, use os comentários no blog. E se for a favor da petição, o endereço para assinar está aqui. 

18 de abril de 2016

Caderno de viagem [2]


Mosteiro de Santes Creus. Ordem do Cister. Catalunya. Espanha

Claustro

Detalhe do claustro

Capitel com folhas de buxo como detalhe

Dormitório comunitário dos monges

16 de abril de 2016

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...