15 de agosto de 2016

A voz do IPPUJ

Clique no link e ouça o que o IPPUJ esta preparando para você.

A voz do IPPUJ

O IPPUJ trabalhando sempre por Joinville. 

12 de agosto de 2016

A quem interessa que escolas não tenham EIV?

A flexibilização do EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança) não interessa a sociedade. A pergunta é a quem interessa? Quem se beneficia? Por que o poder público liderado pelo IPPUJ e com o apoio do prefeito toma iniciativas como estas?

Poderíamos esperar que uma iniciativa como esta surgisse do legislativo, sempre mais propenso a atender este tipo de pleitos, mas que seja uma proposta do executivo só evidencia a forma de ver e entender a cidade desta administração.

4 de agosto de 2016

A roubada do Campus da UFSC em Joinville

O JÁ ( Jornal do Almoço) da RBS levou ao ar uma matéria sobre um tema que era um segredo a vozes o custo exorbitante do campus da UFSC em Joinville.
Dados da matéria R$ 18.000.000 em alugueis, outros R$ 21.000.000 milhões custo do acesso e sem previsão de poder retomar as obras. Alias os maiores beneficiados são os vizinhos que vem os seus imóveis “rurais” valorizar com a vinda da UFSC e que já contam com os ganhos que a mudança do zoneamento vai proporcionar.

Convenhamos que é uma ideia de jerico seguir espalhando a cidade, colocar a UFSC naquele brejo não parece uma boa ideia, menos ainda quando no futuro vai ocasionar custos elevados de transporte para os alunos, funcionários e professores. Seria mais interessante que as universidades se instalassem mais perto. O bom senso recomendaria que o conjunto formado pelo Moinho, a Ciser, o Colégio Estadual Celso Ramos e o Bairro Bucarein poderiam ser parte de um polo de conhecimento. Um campus que se utilizaria da infraestrutura existente, das linhas de transporte coletivo atuais e do comercio e serviços que estão disponíveis na região.


Mas nesse caso os proprietários de áreas rurais que serão os maiores beneficiados com o projeto da UFSC lá longe e que tem defendido com unhas e dentes a sua instalação na curva do arroz não se beneficiariam. Alias quem são esses beneficiários? Quem ganha com a UFSC lá? Porque quem perde isso já sabemos. Né?

2 de agosto de 2016

Preservação


Preservação do patrimônio.

"Uma sociedade, uma cultura se definem não só pelo que criam, mas pelo que se negam a destruir"
John C Sawhill
Vendo o pouco e o como se preserva em Joinville é fácil chegar a conclusão que esta sociedade não tem respeito pelo seu patrimônio histórico e cultural.

Desvincular a construção (imóvel) do seu entorno, é descaracterizar o bem cultural, retirando-o do seu contexto.

27 de julho de 2016

PROJETO SUBDIMENSIONADO?

PROJETO SUBDIMENSIONADO?

Desde 2009 até 2016 no Conselho da Cidade, solicitei inúmeras vezes da apresentação de dados sobre infraestruturas instaladas e futuras para que houvesse contrapartidas entre potenciais urbanísticos e as futuras demandas geradas pelo adensamento, principalmente pelos impactos que serão promovidos pelo conceito de FAIXAS VIÁRIAS. Entre estes dados estavam os PROJETOS E AS BASES PARA DIMENSIONAMENTOS DA REDE ESGOTO SANITÁRIO, que nunca foram apresentados. Comprova-se agora por documento oficial da Companhia Água de Joinville a atual infraestrutura das redes de saneamento básico estão SUBDIMENSIONADAS, pois redes instaladas nos últimos 24 meses não conseguem atender as atuais demandas dadas pelos ÍNDICES URBANÍSTICOS que constam da LEI COMPLEMENTAR 312/10. Pelo exposto no documento abaixo, será necessário ampliação da rede na via do empreendimento, pois a rede instalada já não atende a demanda para outros empreendimentos.

Ante a gravidade da situação expõe-se a ausência de estudos técnicos, planejamento urbano e evidencia a incapacidade da cidade em atender as necessidades propostas na nova LEI DE ORDENAMENTO TERRITORIAL, que configura irresponsabilidade dos gestores e demais agentes promotores do desenvolvimento da cidade. A luz destas informações, que outras vias (sei que existem outras em situação igual, inclusive com a solução temporária – ineficaz - de instalação do sistema de fossa-filtro) terão que receber ampliação para atender os empreendimentos possíveis com a atual lei de uso e ocupação? Se forem mantidas no texto da LOT todas as FAIXAS VIÁRIAS, quantas vias na cidade serão obrigadas a fazer ampliação do sistema de esgoto sanitário? Quais os custos destas ampliações? Que outros custos existirão? Quais outras redes de infraestruturas terão que receber ampliação - água, drenagem, perfil e cargas sobre pistas de rolamento, etc.? Exijo que sejam apresentados dados sobre estas informações técnicas? E que a bem da cidade a LOT não seja aprovada até que tais estudos sejam apresentados.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...