25 de dezembro de 2013

Sangue, suor, lagrimas e trabalho

Por Elio Gaspari

MADAME NATASHA

Madame Natasha encantou-se quando soube que a doutora Dilma disse que na sua gestão da economia prefere "a linha Churchill: sangue, suor e lágrimas".

Natasha lastima que a doutora tenha repetido um mau hábito ao citar frase de sir Winston. Completa, ela é assim: "Não tenho nada a oferecer, senão sangue, suor, lágrimas e trabalho".

As pessoas adoram esquecer da palavra "toil", que em português claro significa "ralação".

"Vem pra rua você também".


Em 2014, 'vem pra rua você também'

Elio Gaspari - Folha de São Paulo

Renan usou um jato da FAB para um implante de cabelos; o Brasil precisa de votos na mão e pés na rua

A repórter Andréia Sadi revelou que o presidente do Senado, doutor Renan Calheiros, preocupado com sua cabeça, requisitou um jato da FAB para voar de Brasília a Recife, onde fez um implante de 10 mil fios de cabelo. Quem nestas festas viajou com seu dinheiro deve perceber que esse tipo de coisa só acabará pela associação dos direitos de voto e de manifestação em torno de políticas públicas. Só com o voto isso não muda. Pelo voto, Renan começou sua carreira política em 1978, elegendo-se deputado estadual pelo MDB de Alagoas.

Renan Calheiros é um grão-mestre da costura política. Foi líder do governo de Fernando Collor de Mello e ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso. Desde 2003 é um pilar da coligação petista no Congresso. Pertence a uma categoria imune à vontade popular. Ela pode ir para onde quiser, mas ele continuará no poder, à sua maneira. Como ministro da Justiça do tucanato, tendo seu nome exposto na Pasta Rosa dos amigos do falecido banco Econômico, defendeu o uso do Exército para reprimir saques de famintos durante a seca de 1998. Politico da Zona da Mata alagoana, estava careca de saber que tropa não é remédio para esse tipo de situação. Nessa época, dois de seus irmãos foram acusados de terem mandado chicotear um lavrador acusado de roubar um aparelho de TV numa fazenda. Um desses irmãos elegeu-se deputado federal. Entre 1998 e 2006 teve uma variação patrimonial de 4.260%, amealhando R$ 4 milhões.

Renan teve uma filha fora do matrimônio quando ganhava R$ 12.720. A mãe da criança era ajudada por uma empreiteira amiga que lhe dava uma mesada de R$ 16,5 mil. Por causa desse escândalo por pouco não foi cassado, mas renunciou à presidência do Senado. Reelegeu-se e voltou à cadeira que já foi de Rui Barbosa prometendo uma agenda ética, de "transparência absoluta". Contudo, como diz o senador Edison Lobão Filho, filho e suplente do senador Edison Lobão, ministro de Minas e Energia, "a ética é uma coisa muito subjetiva, muito abstrata". Nesse mundo de abstrações, Renan, vendo a despensa de sua casa concretamente desabastecida, mandou abrir um pregão de R$ 98 mil para a compra de salmão, queijos, filé-mignon, bacalhau e frutas. Apanhado, cancelou a compra.

Renan não é um ponto fora da curva. Ele é a própria curva. Em 2005, como presidente da Casa, deu sete cargos de R$ 10 mil a cada colega. Seu mordomo ganha R$ 18 mil. Em julho, quando ainda havia povo na rua, usou um jatinho da FAB para ir a um casamento em Trancoso. Apanhado, devolveu o dinheiro. Passados cinco meses fez o voo do implante.

Estabeleceu-se uma saudável relação de causa e efeito entre esse tipo de comensal da Viúva e a opinião pública. Eles não se corrigem, mas, uma vez denunciados, recuam. São muitos os maganos que não toleram saguão de aeroporto, despensa vazia e parente desempregado. Nessas práticas, é fácil colocá-los debaixo da luz do sol. Quando se trata de convênios, contratos de empreiteiras e grandes negócios, a conversa é outra.


Em 2014 a turma que paga as contas irá as urnas. Elas poderão ser um bom corretivo, mas a experiência deste ano que está acabando mostra que surgiu outra forma de expressão, mais direta: "Vem pra rua você também".

Natal



Em Natal presenteie com livros. O presente inteligente.

23 de dezembro de 2013

O prefeito deve se incomodar se continua dando declarações infelizes


O prefeito Udo Dohler não tem perdido oportunidade para lançar ataques mais ou menos velados contra os representantes das Associações de Moradores, ONGs e sindicatos que questionam o projeto da LOT elaborado pelo executivo.

Não será novidade se a sua verborragia acaba lhe custando alguma dor de cabeça em 2014.

21 de dezembro de 2013

A regra das 10.000 horas


Mesmo que aqui insistamos em acreditar que se alcança o sucesso sem esforço, e que há uma capacidade inata que faz que apareçam grandes mestres do xadrez ou primeiros violinos de grandes orquestras, graças exclusivamente ao resultado da sorte ou da genética, os estudos provam o contrario.

Não há nem mestres, nem grandes mestres do xadrez que não carreguem nas suas costas no mínimo 10.000 horas de estudos, de pratica, de esforço e dedicação. Esse é o numero mínimo, um bom violinista não alcança o sucesso tampouco com menos de 10.000 horas de estudos e pratica, ainda que os verdadeiros gênios do violino digam que o numero ideal de horas de estudo esta mais perto das 50.000 horas. Estes números representam décadas de trabalho e dedicação. A regra das 10.000 horas serve para comprovar que mesmo os músicos melhor dotados, precisam de muito trabalho para obter o sucesso.

Por aqui a pratica mais comum é a de trabalhar pouco, fazer de conta, isso de praticar duro, de passar horas a fio estudando, ensaiando não esta com nada. Gostamos de acreditar na genialidade inata, no sucesso que surge da mágica e da sorte e não valorizamos o esforço. O resultado esta aí, salta aos olhos. No único tema em que é possível identificar que a regra das 10.000 horas é cumprida a risca é na procrastinação, nisso somos campeões. Se houver algum troféu, esse é nosso. Há praticamos diariamente, em todas as áreas, seja no setor público, como no privado.


Mas é no setor público que o tema alcança a perfeição. A licitação não ficou pronta no prazo, prorroguemos por mais 180 dias, total faz quantos anos que se sabia quando venceria? Que não há mesas e cadeiras para o restaurante popular? Usemos as do outro e fechemos o primeiro para reforma. Que Joinville não terá 1.000.000 de habitantes em 2030? Pois apresentemos umas contas feitas as pressas para que os números sejam os que mais nos convenham. Que os números não tem consistência? Pois tranquilos porque ninguém vai perceber. Que os estudos para justificar as mudanças propostas na LOT são insuficientes e inconsistentes? Pois não deu tempo para fazer melhor. E assim vamos.

Publicado no jornal A Noticia de Joinville SC

19 de dezembro de 2013

Os discursos de Dona Dilma

Os discursos de Dona Dilma...
Ela consegue se superar a cada dia.
Agora ela disse que o Brasil foi fundado pelos cearenses e que o Brasil começou ali, no Ceará, e que o Nordeste é um problema!
Vejam o discurso:

"Eu queria iniciar comprimentando aqui todos os presentes, comprimentando a mulher cearense, os companheiros homens e dizer do meu imenso prazer de tá aqui, mais uma vez, no Ceará. [...] O Nordeste e a seca são um problema. Jamais houve uma atitude correta em relação a essa situação ao longo dus…dus…dus anos sobre essa situação, que é a questão da existência dum fenômeno climático nessa região do país. [...] E de um lado é um desafio e de outro, é um direito do cidadão que aqui veio, aqui povoou e aqui… não só fez tudo isso, mas inaugurou o Brasil. Num vamos esquecê aonde o Brasil cumeçô. [...] Por isso, nós todos sabemos que hoje, todo mundo olha pra essa região e num vê mais o chamado primo pobre da nação."

NÃO ACREDITOU ? Eu também pensei que ela não chegaria a tanto.


A inauguração do Brasil por Dilma ! 

 Nós não merecíamos isso, mas quem mandou votar ?

18 de dezembro de 2013

A "minoria" barulhenta

As Consultas públicas convocadas pelas associações de moradores mobilizaram mais de 400 pessoas.
E ainda há quem insiste em dizer que se trata de uma minoria.








17 de dezembro de 2013

Quem financia os atravessadores da LOT?

O prefeito Udo Dohler concedeu uma infeliz entrevista ao jornal Noticias do Dia em que faz acusações infundadas sobre o grupo de cidadãos e entidades que mantem uma posição critica a aprovação da LOT a qualquer preço. Pergunta o prefeito quem financia o grupo que promoveu as consultas públicas e que vem participando ativamente do Conselho da Cidade e se manifestando contrario a varios absurdos contidos na redação do projeto de Lei de Ordenamento Territorial elaborado pelo executivo.

O prefeito poderia informar quem o procurou para que a LOT fosse aprovada, é uma resposta que ele esta devendo a sociedade joinvilense.





14 de dezembro de 2013

12 de dezembro de 2013

EIV em areas sujeitas a alagamento

MD secretario executivo do CONSELHO DA CIDADE.

Peço que replique para os conselheiros o seguinte comentário:

Antes da ocupação da area que hoje é o JARDIM PARAISO, fui consultado como profissional de gestão ambiental,  por uma imobiliária de Joinville, sobre as condições de uso desta area, de modo especial quanto ao estatus de banhadão que a mesma apresentava na época.  

O Relatório ambiental que produzi na época, recomendava que a area não poderia ser utilizada no nivel topografico em que se encontrava, pois caso o fosse através de um loteamento,  os moradores teriam furos sérios e permanentes problemas com enchentes.

Diante dessas claras evidencias de alagamentos constantes, o que sempre ocorreu e continuará acontecendo, é importante que se crie legislação especifica que ao conceder um alvará de construção pelo SEINFRA com o Aval técnico da FUNDEMA, o proprietário tenha consciência do que poderá acontecer e desta forma a liberação de cada obra, deva recomendar construções onde o andar térreo não deva ser ocupado e tão somente o andar superior. Em caso de enchentes os moradores não terão danos materiais como acontece hoje.

Os EIV - estudos de impacto de vizinhança em áreas alagáveis, são importantes para que o investidor saiba exatamente em que condições de uso do solo esta aplicando seu dinheiro e que em caso de desastre ambiental com enchente, os danos não sejam imputados sobre os demais contribuintes.
Agradeço por sua divulgação aos demais conselheiros e

REQUEIRO QUE ESTE DOCUMENTO TECNICO SEJA INCLUIDO ENTRE AS DEMAIS MANIFESTAÇÕES E PROPOSTAS DOS MEMBROSDO CONSELHO.

Eng. Gert Roland Fischer

MEMBRO SUPLENTE CONSELHEIRO DA CIDADE representando a APREMA-SC

9 de dezembro de 2013

O nivel do nosso Congresso

Com o nível do nosso Congresso cada vez mais baixo, é possivel que cenas como esta passem a ser mais frequentes.




6 de dezembro de 2013

Os numeros e dados que a LOT projeta para Joinville [1]

AVALIAÇÃO DAS NECESSIDADES DE MUDANÇAS NO PARCELAMENTO DO SOLO

PARTE 1
Juarez Vieira

1ª Passo: Projetar a população da cidade

Com base nos estudos efetuados pelo IPPUJ, com supervisão do IBGE, temos duas projeções para a população de Joinville em 2030.

A primeira previsão considera a evolução da população do município a partir de 1970 até 2013 e, através de uma Progressão Geométrica, chega a absurdos 3,47% de crescimento ao ano, totalizando 977.166 habitantes em 2030.

Esta projeção considera no cálculo uma taxa de fecundidade que não existe mais no país, os casais têm cada vezes menos filhos – segundo o IBGE era de 5,8 filhos por casal em 1970 e em 2010 era de 1,9.

Esta projeção considera nos cálculos os fluxos migratórios das décadas de 70 (sul de Santa Catarina) e 80 (Paraná). Vivíamos um tempo em que não havia tanta automação nas empresas e Joinville era um polo gerador de empregos diante da economia brasileira estagnada – crises do petróleo e a chamada década perdida (anos 80).

Usar essa projeção para justificar as mudanças no ordenamento territorial seria, no mínimo, temerário.

A outra progressão considera as Componentes Demográficas do município e projeta para Joinville apenas 676.689 habitantes em 2030.

Considerando a população atual de Joinville 546.981 (IBGE), temos um aumento de 430.185 habitantes (1ª projeção) e 129.708 habitantes (2ª projeção).


2º Passo: Identificar as áreas não edificadas em Joinville

Segundo levantamento recebido do IPPUJ, contendo apenas 20.418 lotes, temos 61.712.076 m² (sessenta e um milhões, setecentos e doze mil e setenta e seis metros quadrados) de área de imóveis não edificados em Joinville.


3ª Passo: Calcular o potencial de crescimento da população ocupando estas áreas não edificadas

Considerando a densidade habitacional do bairro Aventureiro que, segundo dados do IPPPUJ, é de 80 habitantes por hectare (80 hab/ha), temos a conta a seguir.

Um hectare (ha) tem 10.000 m², portanto a área dos lotes não edificados é de 61.712.076 m² / 10.000 m² = 6.171,21 ha.

80 habitantes ocupam 1 ha (hectare)
quantos habitantes ocuparão 6.171,21 ha (hectares)

Ao multiplicar 80 por 6.171,21 se chega a 493.697 habitantes.
4º Passo: Comparar o potencial de crescimento com as projeções de aumento da população

Se utilizarmos a projeção mais otimista que considera para 2030 um aumento de 430.185 habitantes no município – que pelos argumentos acima já se mostrou totalmente absurda – ainda assim teremos uma “folga” de 63.512 habitantes.

Caso utilizemos a outra projeção com um aumento de apenas 129.708 para 2030, teremos uma “folga” de 363.989 habitantes.

Diante destes números e considerando que o bairro Aventureiro é um bairro predominantemente com residências unifamiliares, ou seja, sem edifícios, chegamos a conclusão que não há razão que justifique mudanças em tamanhos de lotes, já que temos áreas dentro do perímetro urbano mais que suficientes para absorver, com folga, todo o aumento da população projetado até 2030.


Há ainda outro cálculo a ser efetuado considerando, para cada imóvel, a taxa de ocupação, o gabarito máximo permitido e o coeficiente de aproveitamento de lote, mas isso será objeto de outra análise assim que eu receber do IPPUJ a informação da área total residencial construída em Joinville. De posse da área total e da população do município eu poderei fazer o cálculo de qual a área construída por habitante em Joinville, o que me permitirá calcular o potencial de crescimento da cidade de forma mais exata, pois terei o potencial construtivo e a relação m² residencial construído por habitante.

29 de novembro de 2013

Restaurante popular fechado por reforma

O restaurante popular do Bucarein foi inaugurado em abril de 2008. E agora, pouco mais de cinco anos depois fechará as portas para reformas. A prefeitura inicialmente informa que a obra devera durar meio ano. E ainda há quem acha ruim quando o contribuinte reclama do desperdício de recursos públicos.

28 de novembro de 2013

ACIJ e a LOT

Agora o problema é que a tropa de choque pro-aprovação da LOT a qualquer preço esta ficando sem soldados.


Não há pessoal "contrário" a aprovação da lei, há quem não concorda com varios dos pontos propostos pelo IPPUJ no texto atual.

18 de novembro de 2013

Entendendo o gasto público


Teoria do gasto publico

O contribuinte tem a clara consciência que o governo, não só o daqui de Joinville, também o catarinense e o federal, gasta muito e gasta muito mal. Prestigiosas escolas de negócios têm elaborado estudos que explicam como e porque isso sucede.

Ao fazer uma despesa ou adquirir um bem ou serviço o podemos fazer para uso próprio ou para o uso de terceiros, também podemos fazê-lo utilizando nosso dinheiro ou o dinheiro de outros. Isso nos coloca frente a quatro alternativas básicas.

A primeira é quando adquirimos algo para nós, que será pago com nosso próprio dinheiro. Nesse caso há uma maior preocupação em conseguir a melhor qualidade e pagar por ela o menor preço. Outra situação diferente é quando compramos um produto ou serviço para nos, mas utilizamos o dinheiro de outro para pagar a conta, nesse caso, há uma alta preocupação com a qualidade e uma mínima preocupação com o preço. Queremos a melhor qualidade e não nos preocupa que custe caro.

As outras dois situações são aquelas nas que adquirimos um produto para outro, no primeiro caso, se a compra é feita com nosso dinheiro, nos preocupamos menos com a qualidade do bem que estamos adquirindo, porque não é para nos, mas há um maior interesse em que o preço seja baixo, porque é nosso dinheiro que paga a conta. A ultima situação é aquela em que utilizamos recursos de terceiros para comprar produtos e serviços destinados a outros. Que é basicamente a situação dos governos, que utilizam recursos públicos, por tanto de outros, para adquirir bens e serviços públicos, por tanto para outros. Nesses casos não há preocupação nem com a qualidade, nem com o preço. O resultado é esse que esta aí.


Obras caras, mal feitas, produtos acima do preço do mercado e com qualidade infame. As vezes as coisas são tão fazeis de entender que ofendem ao contribuinte mais atento e revoltam ao cidadão que vê como e porque o dinheiro público corre pelo ralo. Alias é bom lembrar que não existe dinheiro público, existe dinheiro do contribuinte, seu dinheiro, caro leitor.

Publicado no jornal A Notícia de Joinville SC

17 de novembro de 2013

Observatório social

Caros amigos, associados e parceiros,

Na última reunião do Observatório Social, foi decidido que formaríamos lista de todos os possíveis (*)interessados em constituir um conselho cidadão ...

* associações, grupos, amigos, pessoas físicas

... onde poderíamos documentar e oficializar todas as reivindicações, dúvidas e opiniões sobre as diretrizes tomadas na administração pública - leia-se prefeitura, câmara, conselho, midia, MP e o que mais for necessario para a pratica da transparencia e da participação popular. 

Qualquer pessoa fisica ou entidade associativa que represente o cidadão. 

O livro de regras e normas está em branco. O Sindifisco disponibilizou a sala. 

- Esta mensagem pode ser repassada e divulgada por todos e para todos os que queiram debater uma cidade melhor. 

Saudações

15 de novembro de 2013

Rebaixo do meio fio e o pedestre como prioridade

Quando a sociedade estabelece como prioridade o carro e não o pedestre, o debate sobre o rebaixo do meio fio, o modelo de mobilidade urbana e sobre os diversos modais de transporte perde o sentido, porque não é um debate racional, é uma abordagem apaixonada, mas irracional. Os argumentos apresentados a favor do rebaixo do meio fio e de converter as calçadas em espaço de manobra para carros em detrimento dos pedestres mostram uma inversão de valores preocupante e propõem um modelo de cidade em que o carro se erige como protagonista, na contramão do bom senso e do que preconizam e aplicam as cidade modernas.

Lei Gabriela Ferreira Duarte


POR JORDI CASTAN

Em menos de uma semana dois fatos marcaram a cidade, o primeiro, em ordem cronológica, foi a aprovação pela Câmara de Vereadores de Joinville da lei que permite o rebaixo do meio fio, com direito a cenas de UFC ou MMA e com vereador fazendo demonstração de artes marciais no plenário. A segunda a morte como resultado do atropelamento na calçada de uma adolescente de 13 anos, na rua Monsenhor Gercino, no Bairro Paranaguamirim.

Inútil explicar aqui qual é a função do meio fio, para que servem as calçadas e qual é a ordem de precedência nas ruas da cidade. Os nossos vereadores faz tempo que desistiram de querer entender qualquer coisa. Estão convencidos na sua supina ignorância que os meio fios devem ser rebaixados, que as calçadas foram feitas para os carros, que os carros devem ter direitos superiores aos dos pedestres ou ciclistas. É difícil argumentar quando o outro lado desistiu de usar a razão, é uma luta inglória e destinada ao fracasso. Deixemos por tanto os nobres vereadores que assumam os seus erros.

Proponho, desde este espaço, que quando o prefeito Udo Dohler sancione a lei, tenho poucas duvidas que em nome da governabilidade, de manter uma maioria confortável e da ausência de assessores competentes, o prefeito, declarado defensor do carro, como meio de transporte e da mobilidade individual, não terá a coragem de vetar a esdrúxula lei, que subverte os valores da mobilidade e coloca os pedestres e ciclistas em risco, como lamentavelmente ficou provado na mesma semana, proponho, pois, que a lei quando sancionada passe a receber alem do numero que a identifique, o nome da menina que foi assassinada, pela falta de fiscalização do rebaixo do meio fio em toda a cidade, pela omissão do poder público e agora também pela irresponsável aprovação de uma lei absurda. Do mesmo modo que temos uma lei Maria da Penha, ou uma lei Carolina Dieckmann, teríamos em Joinville uma lei Gabriela Ferreira Duarte,  assim os vereadores poderiam lembrar sempre do nome da primeira vitima da omissão. Ajudaria a que entendessem a função do meio fio e que a calçada definitivamente não é lugar para carro.

14 de novembro de 2013

O rebaixamento do meio fio


A aprovação primeiro e a sanção posterior pelo prefeito Udo Dohler da lei que permite rebaixar o meio fio em toda a frente dos imóveis comerciais é um retrocesso. Joinville sempre surpreende pela sua infinita capacidade de retroceder. Se houvesse um premio neste quesito, seriamos campeões sem nenhuma duvida.

Em quanto a maioria das cidades consideradas modernas, priorizam o pedestre, especialmente aqueles com algum tipo de necessidade especial, sejam grávidas, pessoas de idade avançada, mães com carrinho de bebe, crianças em idade escolar e outros coletivos, aqui a priorização é o carro, como símbolo de poder. O próprio prefeito nunca tem dissimulado sua visão de uma Joinville em que cada um tenha o seu próprio carro. Na contramão da tendência mundial de fazer as cidades mais amigáveis para as pessoas. Há um movimento que estimula a “walkability” que quer dizer que as cidades se orientem mais para os pedestres, que sejam mais fáceis de caminhar.

As vantagens de caminhar são enormes, faz que as pessoas tenham melhor saúde, os espaços públicos ganham qualidade, há uma maior interação entre as pessoas, a segurança nas ruas aumenta, se reduzem os custos em infraestrutura urbana, a qualidade do ar melhora e tantas outras que estão disponíveis para quem quiser se aprofundar no tema.


Aqui em Joinville o caminho é o oposto. Expulsamos os pedestres das calçadas, priorizamos o carro e fazemos que mais e mais espaços lhe sejam dedicados, convertendo a cidade num gigantesco “Drive-thru”. 

13 de novembro de 2013

As cidades inteligentes

O futuro será das cidades inteligentes. As chamadas smart cities. A maioria das nossas cidades ainda não acordou para essa tendência e não poucas delas estão no caminho de ser Dumb cities, cidades burras, pouco eficientes e verdadeiras armadilhas urbanas.

Como identificar se a sua é uma cidade que esta no caminho do futuro, ou se a opção é ficar firmemente ancorada no passado? Algumas dicas:

As cidades inteligentes são as que priorizam a utilização de energias renováveis. As que têm sistemas inteligentes e eficientes de iluminação pública. São as cidades que implantam medidas de economia energética em escolas e em todos os equipamentos públicos. As que utilizam medidores inteligentes para poder gerenciar melhor tanto o consumo, como os custos e os preços de água e energia.

As cidades do futuro, serão as que priorizem o pedestre, o transporte público, os veículos elétricos e promovem uma mobilidade sustentável. Os resíduos tem uma gestão eficiente e se prioriza a redução da produção de lixo, a sua separação e a reciclagem. A sua gestão e eficiente e transparente e finalmente há uma política ativa da promoção da participação do cidadão na gestão da cidade e de coresponsabilidade. Cidades mais verdes, com mais parques, maior numero de metros quadrados de verde e com mais arvores por habitante.

As cidades burras são aquelas que em oposição às modernas, priorizam a individual sobre o coletivo, estimulam o uso do automóvel, apoiam o uso de combustíveis fósseis e não renováveis, alijam o cidadão das decisões publicas e impedem ou tolhem a sua participação efetiva, entre muitos outros pontos a ser considerados na melhoria da eficiência da cidade. A atratividade das cidades do futuro dependerá da sua "inteligência" e da competitividade sistêmica, mais que dos incentivos fiscais que se ofereçam aos investidores. A lógica é que quanto mais "burras" as cidades sejam, maior o volume de incentivos que serão necessários para atrair novas empresas e pior o nível de empresas que as escolherão como sede.

Publicado no jornal A Notícia de Joinville SC

10 de novembro de 2013

9 de novembro de 2013

Campanha eleitoral

A ignorância, a cobiça e a má fé também elegem seus representantes políticos.

Carlos Drummond de Andrade

27 de outubro de 2013

Ler

●”Quem não lê não pensa. Quem não pensa será para sempre um servo”. Paulo Francis (1930 – 1997), jornalista.

26 de outubro de 2013

Caderno de viagem


Viajar é sempre a oportunidade de viver novas experiências. Ha boas experiências e outras nem tanto. Uma das que não recomendo a ninguém é a perda da bagagem, numa viagem internacional.

O viajante frequente esta sujeito a dois tipos de problema, o atraso de bagagem e a perda da bagagem. Em ambos casos ha um prejuízo para o passageiro. No caso do atraso da bagagem o passageiro tem direito a uma compensação de até US $ 300, calculado na base de US $ 50 por dia, para poder fazer frente as despesas necessárias. Em general as companhias aereas mantém um sistema de rastreio de bagagens que rapidamente identifica em que local se encontra a bagagem. Assim é relativamente fácil recuperar a bagagem se estiver rastreada. Neste caso o prejuízo é menor, porque pode quedar reduzido a um simples desconforto. Normalmente a bagagem deverá chegar no voo seguinte.

O problema maior e quando a bagagem se extravia, neste caso a companhia aérea não consegue rastrear a bagagem e desaparece do sistema. Nesse caso o problema é maior. Porque implica a perda da bagagem. E mesmo que a companhia aérea esteja obrigada a ressarcir o passageiro do prejuízo, este não é sempre um processo simples. Cada companhia tem uma forma diferente de tratar o tema e é neste momento que o seu serviço de atendimento ao cliente será posto a prova. O passageiro que tenha tido sua bagagem extraviada pela companhia aérea deve fazer valer seus direitos e exigir a indenização a que tem direito. O valor da indenização dependera do conteúdo, do seu peso e do modelo.

Uma boa dica é além de fazer a reclamação pelos canais competentes e habituais é utilizar as redes sociais, como twitter, facebook e qualquer outro canal disponível. Em geral a resposta do serviço de atendimento ao cliente via redes sociais é mais rápida e melhor que a telefônica.


Minha experiência mais recente com uma bagagem extraviada tem sido com Turkish Airlines e poderíamos dizer que não esta sendo das melhores.  Até poder recuperar parte do prejuízo vai demorar bastante. É hora de ter paciência e persistencia. 

24 de outubro de 2013

Hahahaha

Da coluna do Jornalista Jefferson Saavedra no jornal A Notícia

O Ippuj nega a versão de que o comunicado sobre a LOT e áreas de mangue tenha sido motivado por questionamento. O instituto alega que blogs “sem qualificação técnica” e manifestações em redes sociais espalharam equívocos sobre a LOT

20 de outubro de 2013

Burocrates em estado puro

Em junho foi criado o cargo de diretor do Departamento de Racionalização das Exigências Estatais da Secretaria de Racionalização e Simplificação da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República.

Motoniveladora X ponte


A passagem por uma ponte pensil precaria é uma aventura no interior dos andes.

19 de outubro de 2013

Caderno de viagem

Final de semana em Barcelona

Barcelona é uma das cidades que mais turistas recebe por ano. E tem se convertido num destino importante para um numero maior de turistas a cada ano. Em plena crise, o setor do turismo esta mantendo bons índices de crescimento.

A companhia Singapore Airlines tem um voo direto entre São Paulo e Barcelona, três vezes por semana, o mesmo voo que seguira para Singapura e faz a ligação com Ásia para muitos brasileiros. Uma recomendação é usar Barcelona como porta de entrada para Europa e aproveitar uns dias para conhecer a cidade. Se a sua opção for num final de semana, aproveitando o voo que parte de Guarulhos na quinta feira a tarde. É bom verificar se nesse final de semana o FC Barcelona jogará no seu estádio. Ver a Messi, Xavi, Iniesta ou Neymar no Camp Nou é um espetáculo e há entradas para todos os preços e gostos. Sem esquecer de visitar o Museu do Barça e conhecer a historia desse clube centenário.

A cultura esta bem representada por uma rede de museus e eventos culturais. Não da para perder o Museu Picasso, o Museu de Arte Moderna, ou o Museu de Arte de Catalunya, ou o Museu da Historia da Cidade além das exposições que constantemente agitam a vida cultural da cidade.

A historia esta presente em todos os cantos da cidade, uma visita obrigatória é o bairro Gótico, se perder nas suas ruas, caminhar por ruelas que tem mais de 2000 de historia e conhecer tambem a gastronomia catalã em quanto se conhece a Catedral, as antigas muralhas romanas e a cidade medieval é uma volta no tempo.

Há uma rede de hotéis de todos os padrões e preços, cada um encontra um que caiba dentro do seu orçamento e com uma boa rede de transporte publico, é possível hospedar-se longe do centro. Meu hotel preferido em Barcelona é o Barcelona Catedral, localizado ao lado do Colégio de Arquitetos e praticamente na frente da catedral, uma localização privilegiada, perto de tudo. Uma boa dica é usar o serviço que o site trivago oferece, lá você pode encontrar várias opções de hospedagem em Barcelona, assim como descrições e claro o melhor preço.

Uma boa dica é visitar o romantico Bairro de Gracia, passear e enamorar-se das suas ruelas e conhecer seus bares e restaurantes. Aproveite para caminhar pelo Carrer Canó, sentar na Plaça del Sol e tomar umas tapas e uma cerveja, Moritz e Damm que são as marcas preferidas dos barceloneses.


Não pode deixar de incluir no seu roteiro uma visita a Sagrada Familia, e as obras mais representativas do modernismo catalão, que teve em Antoni Gaudi seu maximo expoente. Barcelona é uma cidade para se caminhar, conhecer a cidade a pé é uma boa dica. Descer pelas Ramblas até o porto é uma experiência inesquecível. Sem esquecer-se de dar uma paradinha no Mercado de la Boqueria, ou na Plaça Sant Jaume sede da Prefeitura e do governo da Generalitat. Não pode ir embora sem tomar uma cervejinha na Plaça Reial na volta da visita ao porto e ao Aquário localizado no complexo do Maremagnum. 

16 de outubro de 2013

Acorrentar-se é a solução

Acorrentar-se é a solução

Demorou mas o problema da saúde em Joinville esta em vias de solução. A Secretaria de Saúde esta abrindo licitação em caráter emergencial de correntes e cadeados para que os pacientes com casos mais graves possam se acorrentar as grades dos edifícios públicos e com isso receber a atenção da imprensa, assim a possibilidade de ser atendidos de forma prioritária passa a ser uma realidade.

Especialistas recomendam a quem for se acorrentar que escolha muito bem o local, acorrentar-se na porta de um PA num bairro longínquo da periferia tem poucas chances de êxito. Mas fazê-lo na grade do Hospital Municipal São José é mais recomendado, casos mais graves devem se dirigir diretamente a sede central da Prefeitura Municipal, lá o atendimento prioritário esta garantido.


O protocolo de Manchester ganha em Joinville, graças a criatividade sambaquiana um novo componente, a corrente. Assim as pulseiras coloridas que parecem alegres adereços de festa ou de balada, ganham uma versão mais metaleira e pesada a corrente de aço dos desesperados que cansados do discurso enfadonho optam por medidas mais radicais.

8 de outubro de 2013

Enchentes em Joinville

Em respeito aos cidadãos joinvilenses, solicito a gentileza em publicar esta "opinião" em sua coluna cujo objetivo é unicamente o de contribuir para a melhoria de vida das pessoas. 
Saiu em A Notícia de 07/10/2013 que chegou a Câmara de Vereadores de Joinville o projeto para mudar a lei do estudo de impacto de vizinhança. A proposta da Comissão de Urbanismo, com aval da Prefeitura, é para excluir a regra de cobrar o estudo nas áreas passíveis de inundação, o que representa 40 mil imóveis.
Opinião da autora: isto vai agravar a situação de risco na implantação de loteamentos em áreas susceptíveis á inundações. O legislativo municipal perde a oportunidade em contribuir com a construção de medidas não estruturais de controle de cheias no Município de Joinville, no caso: a construção de marco regulatório para mitigação de cheias na região. 
A Colônia Dona Francisca, Manchester Catarinense, Cidade das Bicicletas, Cidade das Flores: maior cidade e maior PIB do Estado de Santa Catarina não pode retroceder na construção de políticas públicas que beneficiem as pessoas, a exemplo do que está em vias de mudar. Recomenda-se ao legislador municipal estudar a história da cidade e do seu povo antes de qualquer coisa. Aquela que quer ser a maior em tudo, não pode agir com pequenez em relação aos seus cidadãos. 
Wivian Nereida Silveira
Engenheira Civil / CREA-SC n. 029888-3
M.Sc. Engenharia Ambiental- Pesquisadora
Professora Universitária do Departamento de Engenharia Ambiental e Sanitária / UNIVILLE

5 de outubro de 2013

Formando uma boa equipe


Para administrar um país, um estado, uma cidade ou uma empresa é imprescindível saber formar uma boa equipe. Não é mais possível gerenciar tudo nos menores detalhes, o modelo centralizador há sido superado pela complexidade da administração e saber escolher as pessoas certas é um dos maiores desafios que deve ser enfrentado.

Warren Buffett, na hora de contratar pessoas para formar a sua equipe, procura três características: Inteligência, energia e integridade e acha que se não tiver a ultima, não há que se preocupar em verificar se tem as outras duas. Como é difícil que encontremos candidatos que reúnam as três, acabamos escolhendo diversas combinações entre todas as possíveis. Em quanto a maioria considera que os estúpidos são o maior problema, estou convencido que os inteligentes sem integridade são muito piores. Com ou sem integridade é mais fácil ser liderado por uma pessoa pouco inteligente que por uma inteligente.

Erich Von Manstein, um dos maiores estrategistas militares da Alemanha de Hitler, considerava a Kurt Von Hammerstein-Equord ex- comandante em chefe do Ministério da defensa do Reich, um dos homens mais inteligentes que tinha conhecido. Ambos desenvolveram um interessante conceito de seleção de pessoal que já é amplamente seguido na iniciativa privada e poderia ser aplicado na administração pública, se o componente político partidário não tivesse um peso desproporcional no preenchimento dos cargos.


Eles dividiam os seus generais em quatro grupos. Há os inteligentes, os diligentes, os estúpidos e os preguiçosos. Em geral é possível encontrar indivíduos com duas características ao mesmo tempo. Alguns são inteligentes e diligentes, seus lugar é no gabinete do alto estado maior. Outro grupo é o dos estúpidos e preguiçosos, que formam aproximadamente 90% de cada exercito e são dirigidos para os trabalhos administrativos e de rotina. Qualquer um que seja ao mesmo tempo inteligente e preguiçoso é selecionado para os mais importantes postos de liderança, porque tem a capacidade para essa difícil tarefa. Os mais perigosos são os estúpidos e diligentes porque são esses os que sempre causam os maiores problemas.

Publicado no jornal A Notícia de Joinville SC

2 de outubro de 2013

Conselho da Cidade segue com as reuniões suspensas

Finalmente temos alguém investido de poder (o Des. Tripadalli) está visualizando esse tema com independência e da forma que o assunto realmente merece.

Os trechos destacados no e-mail abaixo (que aqui transcrevo) basicamente derrubam boa parte da linha de argumentação do Poder Público Municipal:


“A conclusão a que se chega é simples, se o Juiz determinou o cômputo dos votos dos delegados e o acautelamento dos votos dos cidadãos-eleitores e a esta decisão se concedeu efeito suspensivo, o que deve ser feito, neste momento, é computar os votos dos eleitores que estão acautelados e reorganizar a representatividade deste seguimento no Conselho.
(...)
Por derradeiro, o que gera porventura insegurança jurídica é a perpetuação de alguma ilegalidade, cujos efeitos, no futuro, podem ser mais danosos dos que, pretende o Município evitar. Creio que o efeito suspensivo deferido em grau de recurso, não irá atravancar os projetos de desenvolvimento urbano do Município de Joinville.”

27 de setembro de 2013

Embargos infringentes

Pai, o que são “Embargos Infringentes”?

É o seguinte, imagine que nossa casa seja um Tribunal e que quando alguém erra, é julgado e todos podem votar.

Um dia, por exemplo, o papai comete um deslize: É pego traindo sua mãe com 3 prostitutas.
Eu vou a julgamento.

Sua mãe, sua avó, seu avô, sua irmã , você , e seu irmão votam pela minha condenação.
Meu pai, minha mãe, o Totó e a Mimi, nossa gatinha, votam pela minha absolvição. 
Tá pai, mas aí você é condenado, não? 

Sim, fui, aí é que entram os tais dos "Embargos Infringentes", meu filho. Como eu ganhei quatro votos a favor da minha absolvição, tenho direito a um novo julgamento. 
Mas pai, no novo julgamento todos vão votar do mesmo jeito. 

Não se eu tiver trocado a sua mãe, o seu avô, a sua avó pelas três prostitutas...
Entendeu agora ?

26 de setembro de 2013

Lembrete para os desenvolvimentistas a qualquer preço

Para esse bando de ignaros que acreditam que é possível promover o desenvolvimento sem sustentabilidade, um lembrete.


Ainda que é provável que não entendam a mensagem. E todo esforço seja inútil, a ignorância, quando encontra a ganancia e a cobiça combinados são poderosos


25 de setembro de 2013

Estado de penúria


As chuvas recentes tem levado os governos municipais a declarar diferentes estados de situação, desde estado de calamidade, nos casos mais graves, de emergência ou de atenção, quando a gravidade começa a regredir. A prefeitura de Joinville deve declarar estado de penúria permanente.
A penúria é um estado de pobreza extrema ou de indigência, de autentica miséria, se a prefeitura fosse uma família estaria inscrita no Bolsa Família.

Nos dias 26 e 27 de setembro, por tanto na quinta e na sexta feira se realizara em Florianópolis a Conferencia estadual das Cidades, da qual Joinville tem a obrigação de participar. Os conselheiros eleitos e também os indicados por Joinville receberam o seguinte comunicado:

“Comunicamos que não será possível ao Estado custear as despesas de alimentação, estadia e transporte dos delegados municipais para a 5a Conferência Estadual das Cidades, que será em Florianópolis nos dias 26 e 27 de setembro deste ano, quinta e sexta-feira.
A Prefeitura de Joinville também não poderá custear as despesas com alimentação e estadia dos delegados, mas disponibilizará um veículo para transportar os delegados nos dois dias da Conferência (ida e volta em cada dia, sem pernoite em Florianópolis).  Em tempo informaremos horário e local de saída. “

O comunicado é uma perola de como funciona o serviço público, como as meias verdades e as falácias se misturam para prejudicar o cidadão. Primeiro é importante conhecer o que estabelece a cartilha elaborada pelo Ministério das Cidades, a qual deveria ser de conhecimento de quem elaborou o comunicado municipal. Estabelece a cartilha:

5ª CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CIDADES

CARTILHA PARA REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS ESTADUAIS E MUNICIPAIS

· Funções das Comissões Preparatórias Municipais.
- Organizar, mobilizar e subsidiar a execução das conferências na etapa municipal.
- Fazer cumprir as regras previstas no regimento da 5ª Conferência Nacional das Cidades, ...

- Com o apoio dos Governos Municipais e dos Conselhos Municipais das Cidades onde existir, organizar toda infra-estrutura de local da conferência, deslocamento, alimentação, hospedagem dos delegados e delegadas - (eleitos, nosso grifo)- da etapa municipal,... 
MINISTÉRIO DAS CIDADES
CONSELHO NACIONAL DAS CIDADES
COMISSÃO PREPARATÓRIA NACIONAL
COMISSÃO NACIONAL RECURSAL E DE VALIDAÇÃO

No caso de Santa Catarina e a pesar do informado pelo IPPUJ, no comunicado enviado aos conselheiros eleitos a realização da 5ª Conferencia conta com recursos orçamentários.

ESTADO DE SANTA CATARINA
SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO
CONSELHO ESTADUAL DAS CIDADES – CONCIDADES/SC
REGIMENTO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES

CAPÍTULO - VI
DOS RECURSOS FINANCEIROS

Art. 16. As despesas com a organização da etapa estadual para a realização da 5ª Conferência Estadual das Cidades correrão por conta de recursos orçamentários da Secretaria de Estado do Planejamento que poderá receber apoio.

É um típico caso de empulhação, em que o município que tem a obrigação de custear as despesas dos delegados eleitos, não o faz e alega que o problema é do estado, que não é responsável por essas despesas. Custeia as diárias dos delegados indicados, todos eles funcionários públicos e se omite da sua responsabilidade.


Por isso a máxima que preconiza que não devemos acreditar no governo nunca fica mais evidente a cada dia. No caso de Joinville vivemos o resultado do estado de penúria acrescentado um estado permanente de mitomania e mau caratismo.

24 de setembro de 2013

A idiotia no seu estado mais puro

"Quem quer praticar sustentabilidade, que vá para outra cidade, aqui nós queremos, mais empresas, mais gente e mais progresso, o lema aqui na MANCHESTER é trabalho !"

Comentário postado há pouco no Facebook, por um dos defensores do desenvolvimento a qualquer preço. Nem é preciso agregar nada, a ignorância viceja e prospera em nome do desenvolvimento. O discurso oficial tem os seus seguidores fanáticos. 

21 de setembro de 2013

Dia da arvore

21 de setembro, dia da arvore.



Em dez anos...

Em dez anos, o Centro de Joinville deve ficar 100% mais difícil de trafegar de carro do que hoje. Até lá, teremos o adensamento e a progressiva verticalização, com prédios de 30 andares. As áreas periféricas, hoje rurais, terão grandes condomínios fechados e grades por todos os lados. É o futuro, segundo a LOT.

Apolinario Ternes no A Notícia

20 de setembro de 2013

Esta acabando o tempo


A Joinville que ainda mantinha um bom nível de qualidade de vida esta ameaçada e o tempo esta correndo rápido. 

19 de setembro de 2013

Que imagem projeta Joinville para o futuro?


Se olharmos os valores que definem Joinville, não pelo que estamos criando, mas considerando o que como sociedade nos negamos a destruir, a nossa imagem como cidade, desperta muitas duvidas. A facilidade com que destruímos, ou nos omitimos frente a destruição sistemática do nosso patrimônio histórico, cultural e ecológico revela mais sobre nos, do que gostaríamos.

18 de setembro de 2013

Prefeitura de Joinville, IPPUJ e Conurb utilizam software pirata?

Processo:
038.10.050748-1 (0050748-30.2010.8.24.0038)
Classe:
Termo Circunstanciado    
Área: Criminal
Assunto:
Violação de direito autoral
Local Físico:
19/08/2013 00:00 - Gabinete do Juiz - 32 - DESPACHO ABRIL
Outros assuntos:
Crimes contra a Propriedade Intelectual
Distribuição:
19/10/2010 às 17:28 - Sorteio
Juizado Especial Criminal e Delitos de Trânsito - Joinville
Controle:
2010/005830
Exibindo todas as partes.   >>Exibir somente as partes principais.
Partes do Processo
http://esaj.tjsc.jus.br/cpopg/imagens/spw/final_subtitulo.gif
Indiciado: 
Prefeitura do Municipio de Joinville

Vítima: 
a apurar


Indiciado: 
Prefeitura do Municipio de Joinville
Vítima: 
a apurar
Indiciado: 
Conurb
Indiciado: 
Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentavel de Jlle IPPUJ


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...